23.8.13

Correspondência pra ateu limpinho: Esse é o primeiro dia minha vida (AGORA AGUENTE A PSICOPATIA)

Fico assim super meudeus que foi que eu fiz. Fico assim super agradecida mesmo, se por acaso eu estiver errada e houver a Quem agradecer. Por haver esse Craudinho no mundo que fala miríade, que fala cujo, que em cujo olho entra um cisco másculo que faz com ele chore (quase) ouvindo música de primeiro dia da minha vida, que faz música. [Nota da Editora: cortei, porque a psicopatia era muito grande]. Mesmo sendo só palavras ou letras que seus dedos digitem e sua boca falem, mesmo assim, é como se estive aqui. Um Craudinho

que está aqui mesmo estando aí. 

Que está aqui quando eu saio na rua e fico pensando enquanto eu passeio com o cachorro e está no ônibus comigo e quando eu escovo os dentes e ponho o pijama ou visto a roupa pra ir trabalhar e como sucrilhos de chocolate de manhã e faço lista do supermercado, passo roupa, assisto novela, falo com minhas amigas, posto bobagem no Feice, trabalho, fico contente e fico poota, faço carinho no meu cachorro na hora de dormir, tomo banho, lavo as roupas e a louça, varro o chão, abro as cortinas de manhã e fecho as cortinas à noite, faço comida quando eu lembro de que tenho que comer alguma coisa, e leio um livro por três segundos porque não consigo ler mais do que isso agora, porque Craudinho entra na trama do livro ou eu quero perguntar a Craudinho o que ele acha disso ou daquilo, fumo meu milésimo cigarro, assino meu divórcio (feliz!) e volto pra casa correndo pra poder ouvi-lo, e continuar ouvindo, e ouvir mais porque quando eu ouço a voz de Craudinho não há flat line que não oscile, não há ecocardiograma que não demonstre o que eu tenho dificuldade em mostrar, e pra poder ver Craudinho, ver Craudinho com cara de bobo que me faz ficar com cara de besta, ver Craudinho sorrindo que é a melhor coisa que há, ouvir Craudinho rindo e rir junto, e vê-lo, e ouvi-lo e aprendê-lo e 











pausa 








pra olhar a sua cara e imaginar você








outra pausa








pra eu conseguir voltar a pensar dois pensamentos que se conjuminem







pausa









pra acender o milésimo primeiro cigarro









[Nota da Editora: cortei de novo.  Estava scarily psicopata.]

Já escolhi a minha palavra de pé do (seu) ouvido. 

Não vai ser a mesma que a minha mas acho (espero) que signifique a mesma coisa. 

4 comentários:

  1. você acaba de me descrever quando das primeiras cartas (papel, envelope, selo) que troquei com Amado Marido, lá se vão,ops, 16 anos.

    ResponderExcluir
  2. Gênia da lâmpada e da escrita, passando roupa, linda e apaixonado. É por essas que eu te amo!

    ResponderExcluir