10.8.09

Dia 17 - Um pouquinho mais de mimimi

O bom é que as fontes de mimimi vão variando. Começou com o tchefe, passou para o espanhol (eu poderia continuar a fazer mimimi sobre isso, mas deixa pra lá), e agora passou para a saga do apartamento. A gente decidiu que não queria mais morar no subúrbio e queria morar pra cidade mesmo. Vimos os classificados na internet, andamos nos bairros em que a gente quereria morar, fizemos várias listinhas de lugares potencialmente interessantes, ligamos pra muita gente, fomos ver alguns apartamentos (outros a gente não viu porque passou pela frente e não gostou da área ou do prédio ou porque não tinha onde estacionar o carro) e finalmente, semana passada, achamos uma pérola!

Um parêntese: aqui é uma cidade mais antiga e tem muitas casas "em fila", grudadinhas umas nas outras, como se fossem casas geminadas (mas nesse caso, seriam, sei lá, óctuplos). Muitas dessas casas têm 3 andares ou são maiores ainda. Aí o pessoal transforma cada andar em um apartamento ou, no caso de casas maiores, cada quarto em um apartamento. Mesmo nos prédios mais novos, não tem garagem no prédio. Ou você estaciona na rua, ou paga os olhos pra parar em estacionamento. Ah, quando se aluga, é costume já vir com geladeira e fogão. Às vezes tem ar condicionado central, lava-louças. Muitos prédios têm lava-roupas e secadora se não no próprio apartamento, numa área comum do prédio. Outros nem isso e você tem que ir à lavanderia e colocar moedinha e ficar lá esperando tipo em episódio de Friends. Tem também casa pra alugar, mas aí já ia estar bem fora do que a gente pode pagar, considerando que a gente quer morar num bairro legal e não super lonjão e perigoso.  Dá pra gente considerar um apê de um quarto numa área legal, ou apartamento/casa de 2 quartos num bairro não-legal e fora de mão.

Voltando à pérola. Chão de taco (é mais comum ser carpete), uma sala enorme, lava-louça (que poucos apartamentos têm), pode ter cachorro/gato (que a gente não tem, mas quer ter no futuro), com estacionamento fácil na rua, perto do meu trabalho, do metrô -- é só pegar um ônibus --, de vários restaurantes e lojinhas legais, parque, do museu do Rocky e da biblioteca. Achamos o máximo,  comparando com o que a gente tinha visto antes, e o corretor soube vender bem o peixe. A lavanderia é no térreo e o prédio tem acesso a uma loja de conveniência/cafeteria e a um bar. Nossos olhinhos piscaram muito, cheios de amor, e acabamos deixando um cheque lá pra reservar o apartamento, o valor de um aluguel, que, lógico, não se recebe de volta se você der pra trás.

Pois bem. Ontem eu estava felizinha contando pro meu irmão onde era e o que a gente tinha feito no fim-de-semana (ido à Ikea dar uma olhada em móveis porque a gente só tem escrivaninhas, uma cômoda, e  a cama, ou melhor, colchão). Aí googlei o nome do prédio e achei um sítio onde o pessoal posta comentários. SURPRESA!
Agora vou recortar e colar o e-mail que mandei pros meus pais e irmãos logo em seguida.

O [Menino mais lindo do mundo] e eu fomos burros e perdemos dinheiro. Depois de ter corrido (e pagado um mês de depósito pra reservar o apartamento, sem direito a dinheiro de volta) pra aceitarem a gente como inquilinos nesse prédio que pareceu muito legal, hoje, sem querer achei um site com críticas sobre o prédio e o pessoal da administração e manutenção. Segundo a maioria dos comentários nesse site, o prédio é cheio de percevejos, ratos e baratas. Além do que, parece que o pessoal da manutenção é extremamente devagar pra consertar qualquer coisa. O pessoal reclama de problemas com encanamento, falta de água ou água suja e vazamentos que não são resolvidos. Além disso, nos últimos meses, parece que funcionários entraram nos apartamentos pra roubar computadores e jóias quando os moradores não estão. Ficamos tão encantados com o apartamento! Parecia tão legal. Com chão de taco, bem espaçoso e com ar condicionado e aquecimento incluídos no aluguel, o que iria ser uma economia e tanto. Todos os apartamentos que a gente viu pareciam limpinhos e o prédio parecia bom. Fomos bobinhos e vamos ter que engolir os [muitos] dólares investidos, mas pelo menos dá tempo da gente reeconomizar, comprar coisinhas prum próximo apartamento aos poucos. Melhor descobrir agora que perder televisão, laptops e ainda por cima ter que viver com rato e percevejo. Vamos engolir o choro, recuperar a perda e começar a procurar de novo. Estamos tão pra baixo!

Desde ontem à noite, a gente bolou outro plano. Agora a gente resolveu que vai dar uma de stalker e ir pra porta do prédio perguntar pros moradores, depois do trabalho, o que eles acham do prédio. Sobre essa coisa de rato, roubo e talecoisa. Vamos tentar dar uma enrolada na administradora e dizer que não estamos achando o dono da nossa casa pra assinar o formulário que falta (que diz que somos inquilinos bacanas). Já vi que o problema com percevejo é muito difícil de resolver: pesticida não funciona muito bem e parece que o melhor é congelar as coisas que foram infestadas. Eu, alérgica, cheia das chagas dos pernilongos, já fico imaginando como ia ser com percevejo (quer coisa mais Gilliard que isso? Sério, nunca nem tinha ouvido falar de percevejo, se não fosse por esse clássico da música popular).


Meda, pessoal, muita meda.

7 comentários:

  1. Ô, que chato. Mas acho bom mesmo ir sondar os moradores in loco, viu? Sabe lá se as situações relatadas nos comentários são falsas ou exageradas, ou se a administração mudou de mãos depois de tudo isso.

    Sorte pra vocês.

    ResponderExcluir
  2. A gente vai lá. E quem sabe se a gente não recebe o dinheiro de volta, né? Todo o meu conhecimento advocatício me falhou e eu, que leio até termos e condições pra ter conta de e-mail, não li as letras miúdas dos formulários que eu assinei...

    Pra aprender a deixar de ser anta. Eu mereço.

    ResponderExcluir
  3. Percevejos, ratos e baratas? E eu que achava que isso era problema do "terceiro mundo"...
    Poxa, espero que vcs consigam sim esse dinheiro de volta :/

    ResponderExcluir
  4. Torce, retorce, procura e vê se consegue seu dinheiro de volta. Quêisso? US? Tô boba?

    Palavrinha que eu tenho que digirar: unters! Antas? Ah, não! Não aceito!

    ResponderExcluir
  5. Que pena, mas é como você falou, melhor descobrir antes de ter prejuízo maior.

    Força aí!

    (em Ouro Preto tinhamos problema de infestação de pulga e eu era a vítima preferida. O horror.)

    ResponderExcluir
  6. Ligia, Pema e Carol, por sorte esse prédio parece que não tem percevejo. Mas andei googlando e parece que é um problema recorrente aqui. Nos anos 70, foi quase erradicado, mas os percevejos criaram resistência aos produtos químicos. Além disso, os ovinhos não morrem quando o exterminador vem. Então tem que passar o tal do spray váááárias vezes. Né incrível? Eu nunca tinha nem pensado em percevejo. Claro que eu sei que tem no Brasil, mas fiquei super óóó, porque em toda minha vida nunca tinha me passado pela cabeça a não ser como letra de música.

    ResponderExcluir
  7. Ion, adoro a série da sua vida! Rato e percevejo é complicado... Bjs

    ResponderExcluir