6.7.09

Dia 10 - Tá difícil

Já pintou o verão, calor no coração, todo mundo saindo de férias (a gente aqui não) e os professores de espanhol foram para não sei onde, provavelmente pra praia também. Aí meu professor veio semana passada...


[olha, até eu estou cansada de contar história do professor, 
mas estou sem assunto e ninguém me sugere nada e eu não sou criativa]


... e trouxe umas coisas que ele traduziu pra mim, daquele material que eu imprimi. O plano era me entregar a tradução pra eu ler em casa e seguir em frente com milhões de expressões que pedem subjuntivo, quando eu tinha pedido pelamordedeus pra treinar verbos irregulares no presente e no passado aplicados às situações da minha vida. Eu não sei qual é a dele. Pra mim é um pouco óbvio que eu tenho que aprender a responder as perguntas que eu estou fazendo, porque eu tenho que entender o que os clientes estão dizendo. Gastamos 5 segundos preenchendo a folhinha com o desenhinho bonito do corpo humano. Nem completei os outros. Aí fomos interrompidos por uma ligação da mãe dele. E ele me contou a história mais triste sobre o irmão dele, que está preso no país dele (acho que é El Salvador, ele me falou rapidinho no primeiro dia, mas eu esqueci) e, portanto, meu professor, que é estudante, tem que juntar dinheiro pra pagar o advogado do irmão, que está lá mofandinho já faz um mês na cadeia. Sem nenhuma prova contra ele. Só uma papagaiada louca da irmã da vítima. Tô procurando outros professores, mas me sentindo a pior pessoa do mundo, com o coração mais peludo. Essa semana ele não vem, mas fico muito tentada a dizer que eu tenho aula mesmo assim e sumir por uma hora antes de dar a hora de eu ir pra casa porque eu realmente estou muito, muito, muito de saco cheio daqui. A voz do tiozão arrogante que grita e conta vantagem me irrita muito, essa piiiiiiiiiiiii desse rádio com a meia dúzia de músicas todos os dias, a falta de responsabilidade do meu tchefe. Mas, né, guento as pontas, e tendo pensar nos prós. Pelo menos eu tenho emprego, pelo menos meu tchefe não é um escroto, pelo menos devo poder ir pro Brasil de novo logo, pelo menos o próximo feriado é em setembro e vai ser prolongado. É assim que eu vivo agora. Contando os minutos pra ir pra casa, com as horas mais arrastadas pra chegar o finde.

Um comentário: