16.3.09

5 rules for life: um meme?

Não me lembro mais de como fui dar no blogue 5 Rules for Life. É desse blogues que recebem colaboração do público e que eu tenho certeza de que vai virar livro(s), tipo Postsecret. Adoro essa coisa meio voyeur, ler segredos, ver o que os outros têm a dizer. Parece quase uma invasão, parece meio proibido. Não sei bem como traduzir o título do post e do blogue de onde veio, mas acho que serve esse: 5 conselhos pra uma vida melhor (depois de passar quase uma semana pensando sobre isso). Então aqui vão os meus. Não porque eu me ache uma pessoa iluminada e blábláblá. Mas acho que essas são as coisas mais importantes que eu aprendi até hoje. Que venham mais!

Meus 5 conselhos pra uma vida melhor
1. Faça para os outros o que gostaria que fizessem pra você. De uma simplicidade e de uma riqueza! Vale pra tudo nessa vida. É fácil ver se a gente está agindo bem ou mal se a gente aplica essa regra. Eu gostaria que fizessem isso pra/por mim? Gostaria que alguém segurasse meu cabelo enquanto travo amizade com o vaso, totalmente embriagada? Gostaria que alguém fizesse meu jantar quando eu estou só o pó? Gostaria de ganhar uma massaginha depois de um dia trash? Gostaria que dissessem "de nada" em vez de só resmungar um "rum-rum"? E não deve importar se a recíproca é verdadeira (essa parte é mais difícil e às vezes impossível). Mas, por exemplo, a gente deve respeitar o ser escroto que divide escritório com a gente como respeita quem o faz por merecer. Ser educado, atencioso, gentil. Gentileza não deveria ser coisa do passado.

2. Todo mundo é igual. A gente tem a tendência de achar que porque estudou, fez faculdade, ou sabe falar outras línguas, ou não cabulou as aulas de gramática, ou sabe isso ou aquilo, ou é bom nisso ou naquilo é melhor que os outros. Eu mesma julgo muito e tento me fazer lembrar de que isso é bobagem, o que vale é bondade. Há, lógico, situações em que seguir esse conselho é tão, tão difícil. Por exemplo, ninguém quer trabalhar com um coleguinha mais devagarzinho. Que não sabe a diferença entre um arquivo .doc e um arquivo .pdf. Que não sabe criar pastas em um diretório (os exemplos são reais, mas não é minha calega). A gente se apressa a chamar o outro de burro. Acho que todos temos capacidade de aprender. O que falta a alguns é interesse em aprender, o que é menos perdoável. Mas, no fundo, no fundinho, não é isso que conta. O que conta é se a pessoa sabe agir conforme meu conselho nº 1. Porque essas é que vão dar colinho a quem precisar. Ou uma mão e quem sabe o braço.

3. Todo mundo é igual, mas cadum-cadum. Papinho de quem foi/é nãrdi. É, todo mundo é igualmente capaz. Mas cada um tem suas vontades e aptidões. Ser maria-vai-com-as-outras é mais fácil e menos cansativo. Evita desgaste, discussão e briga. Só tenho a dizer que conflito é bom. Quantas e quantas pessoinhas eu já conheci que fazem de um tudo pra evitar um quiprocó. E engolem sapo à toa. Seja bonzinho, mas não seja bobo. Ser diferente é saudável e gostoso. Ter seus próprios interesses e gostos é bom e a gente vai cada vez mais percebendo isso quanto mais longe ficam nossa infância e adolescência. E quanto mais longe ficam as pressões para ceder aos modismos (se bem que). Também não quero dizer que é pra gente se fechar no nosso mundinho de autista e ali ficar (embora seja tão confortável e quentinho). Só acho que individualidade é uma coisa que cada vez mais eu aprecio.

4. Observe e escute. E, se puder, aprenda. Porque eu sou tímida, sempre fui muito observadora. Eu fico entocadinha, só vendo o que os outros dizem e como agem. E funciona que é uma beleza. Em vez de se acometer de verborragia, experimente ouvir. Experimente perguntar em vez de responder. Aí você fica sabendo quem é quem: e faz amigos ou decide que aquele fulano é só legal pro cadum-cadum mesmo. E aprenda. Em vez de já sair cuspindo já-sei-já-sei-já-sei. Porque conhecimento e engrandecimento vêm de lugares inesperados e de circunstâncias blé. Aja como um pesquisador do mundo.

5. Saiba curtir o silêncio e a solidão. Porque é preciso para pra ouvir o que é que você está dizendo. Pra refletir, pensar, apreciar o que se viu/ouviu/leu/fez/observou. Pra essas coisas virarem outras. Pra não virarem só mais um post que você não leu no seu Reader porque tem 1000+ itens a serem lidos (oi, eu! - pra não passar por isso, eu apago várias pastinhas sem ler). Pra não virarem uma foto que você viu no Flickr por um nanossegundo porque tem outras trizilhões de fotos a serem vistas e agora nem sabe mais do que era. Ou praquele mp3 não mofar num canto esquecido do seu HD. Pra que as coisas não virem uma idéia que não vai dar em nada ou, pior, só um recorta-e-cola. Aproprie-se do que lhe é oferecido. Menos é mais. Menos barulho e até mesmo menos informação. Acho que a abundância às vezes causa a angústia do não-vou-dar-conta. Tem muito de tudo no mundo, mas só tem um tantinho que vai caber na sua cabeça. E cabeça, a exemplo do estômago, também serve pra fazer digestão.
Se você resolver fazer uma listinha também, coloque aqui nos comentários ou deixe linque, ouquei?

7 comentários:

  1. Ficou faltando eu falar de oportunidade. Que falta oportunidade, em vez de somente interesse pra aprender.

    ResponderExcluir
  2. eu vou é endossar a sua lista. igual que nem a minha.

    beijos de um barrigão de 7 meses

    ResponderExcluir
  3. Thank you for the mention! I would love to have you submit your "Five Rules" to the site.

    Jon
    FiveRulesForLife.com

    ResponderExcluir
  4. Adorei seus 5 conselhos, são importantissimos, vou pensar nos meus e passo por aki denovo...

    bjokas

    ResponderExcluir
  5. Nossa, eu sempre leio aqui e raramente comento. Mas seus conselhos são tão parecidos com o que eu sinto da vida (principalmente os dois últimos) e com as coisas que eu aprendi (às vezes a duras penas) que eu tive de deixar meu recado. E tem um muito, muito importante também: viver aqui e agora. Fazer bem o que você está fazendo NOW. Porque às vezes a gente perde tanto tempo pensando e elucubrando o futuro (ou remoendo o passado) e se esquece de tudo o que está rolando, não é mesmo? E perde o bonde da vida.

    ResponderExcluir
  6. Noh, quero ver sua listinha.

    Sabrina, nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Caminho do meio. Fazer planos é bom, mas não quando a gente não consegue mais fazer nada no presente. Do mesmo jeito que não é bom simplesmente não fazer planos pro futuro. Acho.

    ResponderExcluir
  7. Eu queria tanto saber ficar quietinha só ouvindo de vez em quando...mas eu falo taaaaaanto! Um dia eu ainda aprendo, juro que é uma das coisas que eu mais quero, viu?
    beijos querida.

    ResponderExcluir