8.12.08

Livros que amei (ou não): Sobre a Isabel, o Nick e como meus dias são chatos

Sexta passada, antes de ir a uma festinha de gente desconhecida, num esforço para conhecer pessoas e não ser totalmente misantropa, terminei de ler The Sum of Our Days, da Isabel Allende, que é uma continuação de Paula, ambos livros de memórias. Fiquei até a 1 da manhã na tal festa, mais ou menos, porque teve Amigo Secreto e eu queria ver o que ia ganhar. Eu, um livro de cartoons e o Menino Mais Lindo do Mundo, um DVD usado do Homem de Ferro e um do Zohan, Um Agente Bom de Corte (ameeeei o título em português, hein?), daqueles que vende na Blockbuster quando passou a febre. Sem embrulhar. Acho que a pessoa pegou em casa e colocou numa sacola. E vamos reciclar mema. Por exemplo, adivinha o que o meu tchefe vai ganhar de Natal? Adivinha qual filme ele viu duas vezes e sobre o qual quis contar pra mim duas vezes, porque ele nunca tinha visto coisa mais engraçada no mundo? Pena que a gente não guardou a sacolinha de presente também. Voltei pra casa, assisti a 5 minutos de A Favorita, que na Globo Internacional passa também em horário alternativo durante a madrugada. Difícil engolir a Patrícia Pillar fazendo aquela voz grossa pra ficar com jeito de vilã ou a Cláudia Raia fazendo parzinho com aquele mocinho como se fosse a coisa mais normal do mundo. E os nomes dos personagens? Na vida real não é muito mais Roberta, Marlene, Daniela, Carol? Mas já deve estar acabando e logo vem uma bem pior (diz que é da Gloria Perez?). O livro: nunca sei o que falar da Isabel Allende. Acho que só falta um livro pra eu ler e gostei até daqueles com que eu tinha má vontade (o do Zorro). Não consigo nem ficar de má vontade com ela, apesar de ela ter ido visitar uma favela no maior esquema turista durante uma viagem ao Brasil, ou de ela ter feito plástica porque não se conforma que tenha que envelhecer. Gosto dela como se gosta de uma amiga, perdoando as pequenas (ou grandes) falhas. De todos os que li, esse foi o de que gostei menos: fiquei satisfeita por tê-lo alugado e não comprado (ainda está em edição de capa-dura, bem mais cara). Apesar dela contar a história da família com muito mais competência do que eu o faria, ou qualquer um de nós, ainda assim não é tão bom quanto a os livros de ficção ou quanto o outro de memórias. Como em Paula, gira bastante em torno da ausência, de saudade, temáticas de que eu gosto muito, especialmente por causa da minha história com a minha irmã.

Acordei no sábado para esperar o empanturramento de almoço num restaurante que serve um churrasco coreano do tipo coma-até-explodir-se-assim-o-desejar. E sempre o desejamos. Voltei e terminei de ler Slam, do Nick Hornby. Tinha ficado meio assim, porque supostamente é pra adolescente, né? Também é. Mas não é nem um pouco chato nem dã e é mais ou menos (bem mais ou menos) como se fosse ler a história do que seria uma versão adolescente do Rob, de Alta Fidelidade. Fiquei aflita e feliz e aflita de novo com toda a história, sinal de que é bem escrita. Tirei uma soneca muito longa, acordei pra jogar tipo um Scrabble e perder incontáveis vezes. No domingo, não consigo ficar acordada para o 2º tempo do jogo do São Paulo. Uma força poderosa tomou conta de mim e me obrigou a dormir no sofá. Mas: tricolooooor!

P.S. Corrigi os erros de digitação e de português que achei. Drogaaaa. Destesto esses erros ridículos.

7 comentários:

  1. Olá, sempre venho aqui, e adoro ler seu blog...! Você tem uma grande mania de ler, assim como eu. rs Acho isso fascinante.! Espero que possamos manter contato! Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Estou fazendo uma campanha de doacoes pra montar uma minibiblioteca comunitaria aqui no Rio de Janeiro,preciso da ajuda de todos.Aceito doacoes no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Que DEUS abencoe todos nos.Meu e-mail asilvareis10@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. Li o Slam nesse final de ano também. Nick Hornby é genial, faz pesoas de 30 anos ficarem presas em histórias adolescentes. E sabe que talvez o Sam seja mesmo uma versão "juvenil" do Rob Fleming?

    ResponderExcluir
  4. Só queria saber como é que a gente faz prá botar esses peixinhos no blog? Tentei, tentei, tentei, mas não consegui. Vai um passo a passo? Please?

    ResponderExcluir