3.9.08

Minha vida não é glamour (pro Rafa, principalmente)

E nada de muito uau! acontece na minha vida rotineira. Pois é, eu ganhei (da Dee, que ganhou dinheiro num programa do Silvio Santos, I kid you not) uma cachorrinha linda de carinha achatada e rabicó de leitãozinho que me salvou a vida quando eu fiquei mais triste, encontrei esse menino lindo com quem eu não me canso de fazer conchinha e mudei de hemisfério por causa dele (e de mim), deixando pra trás meus amigos e minha família, a Cuquinha e as frutas e verduras que têm mais sabor e de que eu sinto saudade. Maracujá doce, por exemplo. Ou carambola. E escarola que é amarga de verdade. Ou jiló.

Mas na maior parte do tempo, a vida é dizer que eu não quero vir trabalhar, e chegar no trabalho e ler Google Reader e falar com gente chata no telefone e, às vezes, até lavar a xícara de café do meu tchefe porque eu já não agüento mais ver a xícara cheia de café velho na mesa. Às vezes meu tchefe vem trabalhar: muitas vezes não. Aí as horas se arrastam bem de. va. ga. rinho. e ninguém fala comigo no MSN o dia inteiro e no trem eu leio um livro e o menino mais lindo do mundo me pega na estação pra gente ir ao supermercado com um bico desse tamanho porque não gosta de "perder tempo" fazendo compras, conversando sobre nada e sobre tudo no caminho, e volta pra casa com legumes e frutas e faz um jantar gostosinho e a marmita do dia seguinte. A gente joga um monte de jogos diferentes com dominó. Ou joga Scrabble no computador. Ou assiste Project Runway. Ou ele vai tocar guitarra no porão enquanto eu vejo CSI ou leio um livro que aluguei. E estuda um pouco de francês depois de enrolar o máximo que a gente pode.

Eu tirei um dia de folga pra emendar no feriado dessa segunda, mas acordei doente e acabou que não fomos pra nenhum lugar. A gente foi no museu no dia em que se paga o quanto quiser pra entrar (no nosso caso, 15 dólares pra 4 pessoas), o museu estava lotado e não tinha quase que nada de novo. Uns amigos do menino mais lindo do mundo vieram de Arizona e a gente só comeu porcariada. À noite meu nariz estava entupido e eu tive que respirar pela boca enquanto dormia e hoje meu nariz está escorrendo e já está doendo de tanto passar lenço. Fui no oftalmo, meu grau aumentou. Tô quase com a visão de um morcego. Meu lábio está ardendo um pouco. A minha vizinha de mesa ouve as mesmas 5 músicas todos os dias na rádio que toca só essas 5 músicas e recusa-se a desligar o rádio (eu pedi pra ficar pelo menos metade do dia no silêncio) porque ela PRECISA do rádio porque é a ÚNICA distração que ela tem. Olha, eu PRECISO de silêncio e PRECISO da minha sanidade mental. Por isso resolvi -- agorinha -- que vou trazer as coisitas de enfiar no ouvido e todo mundo vai me odiar porque eu tenho o nariz empinado e não posso nem ouvir um pouco de rádio? Às vezes dá preguiça e a gente vai comer no indiano em Delaware ou no brasileiro em Philly ou no nosso restaurantezinho preferido (às 5 da tarde, quando não tem fila infinita). Quinta ou sexta depois do trabalho, quando dá, eu vou ao bar perto de casa com a minha roommate e a gente conversa sobre política.

Eu não sou a pessoa mais produtiva do mundo, não escrevo mais nada, nem no blog, os últimos desenhinhos que eu fiz são aqueles do dicionário de espanhol, meu nome do meio é Procrastinação, meu sobrenome deveria ser Preguiça de Tudo e minha vida não tem um pingo de glamour. Mas lendo aqui não parece que é tão cheia de acontecimentos e emoções?

16 comentários:

  1. Hummm... alguns dias parecem sim todos iguais. E tem aquela coisa de que devemos olhá-lo como se fosse único, como se fosse o "últemo"... então a gente vai tentando fazer ficar diferente. Embora pra ti pareça sempre igual, eu gosto e minha mãe também, das coisas que tu escreves e de como tu escreves. Realmente, lendo aqui parece sim que tua vida é cheia de emoção. Mas, como tu dizes, o "seromana" tem mania de querer sempre mais e as vezes complica. Boa sorte!
    Um beijo e não para de escrever aqui não, gosto de ler-te.

    ResponderExcluir
  2. Ah, você parece tão legal. E sua vida, idem. A gente sempre acha a própria vida sem graça, mas, pros outros ela é sempre supimpa, né?

    ResponderExcluir
  3. Léli, acho tão legal que sua mãe leia o blog também. Não tô muito bem no quesito viver cada dia como se fosse o último, mas eu gosto da simplicidade dos meus dias.

    Neutron, você também parece tão legal!

    ResponderExcluir
  4. Que puxa, estou igual.

    ResponderExcluir
  5. Olá! Poxa, me parece que você faz um monte de coisas sim, eu não faço nem metade do que você faz rsrsrs, trabalho tão longe de casa que a maior parte do tempo livre que tenho fico dentro do ônibus, quando chego em casa já está tarde e não dá para fazer mais nada, você pelo menos estuda, joga, vai ao mercado, ah tanta coisa

    ResponderExcluir
  6. partilhamos as emoções do tédio, é isso? mas é bom, vai.
    a pergunta do dia: tá gostando do Mia? :)

    ResponderExcluir
  7. Ione, você faz muitas coisas então. Pensa, lê, vai ao supermercado, janta com os amigos. Não acho que falte enredo na sua vida.

    Diga-me uma coisa: Você anseia, de alguma forma, por mais emoções? Ou a vida perfeita para você é a sua vida cotidiana?

    ResponderExcluir
  8. um parêntese: o livro chegou e eu vou dormir abraçada a ele. como você adivinhou que eu estava torcendo, com todas as forças, para que você escolhesse o David Hughes? :)
    ãããim, tão lindo.
    obrigada, Ione. Mesmo, mesmo. :)

    ResponderExcluir
  9. Neninha, ficar no ônibus pode ser uma "atividade". Dá pra olhar pras pessoas, ouvir as conversas, ler, ouvir música, olhar pela janela e notar coisas que a gente nunca percebeu.

    Rafa, não sei se anseio por mais emoções. Eu não ia gostar se eu soubesse que pelo resto da minha vida eu só faria isso -- procrastinaria e viveria uma vida quase sem mudança no cotidiano. Fazer planos (os mais simples -- fazer uma receita mais difícil, ler um livro sobre um assunto que você não entende muito, e até mesmo os irrealizados ou muito difíceis) dá graça à vida. O que eu quero saber é o que *você* acha.

    ResponderExcluir
  10. A internet - livre do mundo físico - cria coisas como o glamour intelectual. E o seu blog é glamouroso - mesmo quando fala do nariz escorrendo.

    ResponderExcluir
  11. Olá, povo brasileiro!
    Hoje você vai votar.
    Vota bem, vota certeiro,
    Se não quer vir a chorar,
    Por votar no mais matreiro.

    ResponderExcluir
  12. Ai como vc escreve bem, menina! Que saudades de conseguir vir aqui com mais frequência, mas creio que logo mais conseguirei voltar à programação normal...assim que o pequeno crescer mais um pouquinho.
    beijos, querida

    ResponderExcluir
  13. Ah ... Cade vc ??? Vc sumiu...
    beijao

    ResponderExcluir
  14. Putz, acho que nem sabia que você tinha ido aos EUA, tanto tempo faz que não entro aqui (era aqui mesmo? Não lembro o link...)

    Aliás, não vejo quase ninguém, pois ando meio sumido com os blóguis. Mal escrevo, aliás. Micarla (lembra dela?) nem sei se escreve mais na net. Aliás, tô devendo um e-mail pra ela.

    Ah, eu sou o Fábio Monoglota. Esqueço de me identificar às vezes. Queria saber se você ainda escrevia aquelas histórias supimpas. Abraços!

    ResponderExcluir
  15. Sua vida é linda, Ion! E você tem uma capacidade absurda e natural de glamourizar coisas simples! Beijos e saudades.

    ResponderExcluir