6.11.07

Tá, tô começando a ficar assustada

Eu tenho esses roommates, né? E eles têm um nenê. Que é lindo e cuti-cuti, você precisa ver. Mesmo porque eu só vejo o nenê tipo 5 segundos do dia e ele ri pra mim quando eu rio pra ele e falo com ele em português. A mãe dele acabou de descer do quarto e perguntaram se ele tinha trocado de roupa de novo. Ela disse: "He puked!" Bom saber. Quando eu cheguei em casa, o pai dele estava com ele no colo e tinha queijinho -- que sai da barriga de nenês que tomam mamadeira -- por toda a camiseta dele. To. Da. Ontem eles me disserem que esse mesmo nenê tinha vomitado bem na cara do pai dele. Tipo acertando bem o olho esquerdo, bull's eye mema. Esse nenê também tem um problema de babar. O tempo inteiro. E de reclamar. O dia in. Tei. Ro. Ele fica mmmm. Mmmmm. Mmmmm. Mmmmm. Mmmmmm. Quem nem o Billy Crystal em Harry e Sally? Quando ele fica no telefone fazendo de doente? E pra ele ficar sossegado e pra ele não chorar, tem que ficar chacoalhando o chocalho bem na frente dele sem parar.

Adivinha quem vai cuidar desse nenê na quinta à noite?

Porque eu devo favor, né? A roommate me manda e-mail assim: "Você quereria tomar conta do nenê?" Se fosse pra ser sincera, eu ia dizer:

Não. Eu não quereria. Mas vou.

Mas vou, né? Porque eles me pegam na estação de trem 3 vezes por semana: segunda, quarta e quinta. Eu dou presentes de agradecimento. E cartões. Esse mês eu comprei umas roupinhas de frio pro nenê, porque eles tão meio apertados de dinheiro. Parece que eu sou boazinha, né? Mas não sou. Eu sou péssima pessoa. Claro que eu quero agradecer pelo favorzão que eles me prestam. Poota saco chegar em casa e ir ter que buscar a vaca que tá lá na estação e não pega ônibus porque demoraria uns 40 minutos pra chegar em casa, quando de carro leva uns 5.

Mas eu tenho segundas intenções. Não quero trocar o favor "me buscar de carro" pelo favor "ser babá do nenê por 1 segundo". Eu quero ser boazinha porque eu não quero cuidar do nenê. Quer dizer, eu até cuido. Se for no finde. Pra eles jantarem em paz. Ou quando ele acorda gritando e não há cristo que faça parar. Eu vou lá e falo português com ele e sempre funciona. Mas nas quintas à noite, é o dia em que o menino mais lindo do mundo e pai do nenê tocam no barzinho e todo mundo volta tarde. Menos eu. Porque eu fico em casa pra ir dormir cedo, porque eu começo a babar que nem o nenê quando das 11 badaladas. Porque eu quero meu sono reparador. Pra ir trabalhar e não ser um zumbi. Da outra vez, a mãe do nenê ia voltar às 11:30. Depois mudou pra meia-noite. Depois virou meia-noite e meia. E 1 hora. E eu fui dormir. Com o baby monitor ligado no úrtimo. Depois de ter ido vigiar ele no berço trocentas vezes porque ele tava muito quieto. Nessa época ele ainda dormia. Agora parece que esse nenê não dorme mais. Ele só quer ficar acordado pra vomitar. Fazer queijo na roupa dos outros. E resmungar. Socorrro.

S
.
O
.
S
.

Então eu respondi que eu ficaria muito feliz em cuidar do nenê. Mas que eu tenho esse problema de babar às 11 da noite e expliquei essa condiçã quase médica pra ela e pedi pra ela não voltar tarde. Por favor.

Eu sei. Eu sou péssima pessoa. Eu me sinto mal só de ver como eu sou egoísta. Ãin. Eu vou amar cuidar do nenê. Eu vou amar cuidar do nenê. Não pode ser tão ruim, né? Ele é fofo. Ele ri pra mim. Ele nunca fez cocô quando estava sob meus cuidados. Ele sempre foi um ótimo nenê comigo. Esse nenê me faz querer ser uma pessoa melhor.

9 comentários:

  1. Sou suspeita pra dar a minha opinião pq adoro nenês, adori cuidar deles, ficar com eles, trocar, dar comidinha, tudo, tudo, tudo.
    Boa sorte procê!

    ResponderExcluir
  2. Eu também gosto de nenês, Renata. Eu brinco com esse nenê e converso com ele, dou mamadeira, troco até fralda. Ele é lindinho e eu adoro ele. Na ficha do médico, logo depois que ele nasceu, eu fui com a mãe dele e ele no médico e a gente colocou lá que eu sou a tia. Eu só não adoro ter que ficar acordada até super tarde. Eu tô fazendo drama, porque é só once in a blue moon que eu tenho que cuidar dele de verdade. Na maior parte do tempo a gente só ri um pro outro.

    ResponderExcluir
  3. Eu achei muito legal a parte de você comprar roupas de frio para o bebê porque os pais estão meio apertados. Sério mesmo.

    Well... boa sorte. :)

    ResponderExcluir
  4. Olá Ione,

    No dia 4/10/06...escrevi : " Se um dia você amanhecer (mais uma vez) apaixonada e com vontade de escrever, por favor me avise."

    Fiz este comentário ( aqui só um trecho) sobre a sua vontade de parar de escrever...pelo menos no ritmo que vi hoje. Desde outubro do ano passado não visitei mais o teu blog. Me comoveu aquela despedida, pra falar a verdade, fiquei meio bravo com você (temperamental). Gostei da variedade dos posts atuais, e sem querer ser saudosista, muito parecidos com os de antigamente.

    Tenho 12 meses para ver o que você andou fazendo...uma coisa já deu para perceber logo de cara, vc esta longe pra dedéu. Desculpa, ficou longo o comentário.

    beijo,

    Carlos.

    ResponderExcluir
  5. Neutron, eu nunca tinha dado nada de presente pra ele. Eu participei do chá de bebê, mas só contribui fazendo comida. Então acho que não me custa nada dar umas roupinhas pra ele. Porque o frio tá de lascar.

    Carlos, aos poucos tô tentando gostar de escrever de novo. Talvez não de escrever, mas do que eu escrevo. Tô tentando.

    ResponderExcluir
  6. Ixi, boa sorte, vou torcer por você. Eu também gosto de bebês, desde que eles estejam no colo da mãe e a uma distância segura de mim :o) nunca dou muita sorte quando tenho que cuidar de algum. Prefiro quando eles viram criancinhas, é mais fácil de se comunicar e de enganar com um desenho animado :o)

    ResponderExcluir
  7. Yara, obrigada pela solidariedade. :) Também gosto de criança: é mais interativo, né? E dá pra bater papo.

    ResponderExcluir
  8. E aí como é que foi? Minhas orações deram certo? O bebê dormiu/não babou/não vomitou/não berrou? A mãe voltou cedo? Você sobreviveu? :o)

    ResponderExcluir
  9. Então a gente combinou que eu ia tomar conta dele das 9 às 11. A primeira meia hora, ele ficou quietinho olhando as coisinhas na estante e na parede. Depois começou a berrar. Muito. Eu olhei se era a fralda, não era. Peguei ele no colo e cantei músicas de ninar. Aí ele começou a ficar bravo de novo. Olhei a fralda: nada. A mãe dele tinha me dito que ele tinha comido cereal de arroz (não deveria estar com fome). Berrando. Mas tava. Fiz mamadeira, dei pra ele. Berrou um pouco mais. Depois cansou e foi dormir.

    No geral, não foi tão ruim. Mas foi-se o tempo em que ele era super quietinho.

    ResponderExcluir