12.11.07

Só consigo pensar na fogueirinha

dos fins-de-semana. A gente senta lá fora no frio, com alguma coisa pra beber e conta (no meu caso, ouve) histórias. As roupas ficam todas com cheiro de fumaça. Adoro. * * * Hoje eu trouxe uma sopa de legumes super apimentada que o menino mais lindo do mundo fez. E tomei com biscoitinhos de farinha integral. Eu queria ler na cozinha, que é onde eu leio na minha hora de almoço quando está frio, mas as outras meninas estavam lá e é falta de educação não participar da conversa (ou fingir que). Não consigo. A começar que eu não entendo o sotaque delas. Quando entendo, elas tão falando mal de alguém. Semana passada foi a última de um advogado que foi despedido e sofreu um acidente de carro em que ele quase morreu - não nesse ordem, pra você ver como desgraça pouca é bobagem. As meninas convidaram todas as secretárias menos a D., que era secretária dele - pra um almoço de despedida. A D. ficou triste, claro. Na sexta-feira antes do finde de Natal, eu não vou estar aqui pro grande almoço de fim de ano. A D. fez bico porque eu vou deixar ela all alone com aquelas meninas. * * * Tenho que parar de colocar livros na lista do troço de alugar: tem 82 livros na lista e 4 em casa. Faz 2 semanas que eu estou lendo um livro só. Fora que o correio perdeu 2 livros que eu mandei num envelope com 3. Mandei e-mail pro serviço de aluguel: ó, eu faço tudo direitinho, não quero ficar na lista negra. Mandei 3, vocês receberam 2. Mas eu não fiquei com esse livros em casa. Enquanto eles não resolverem essa situação, eu recebo menos livros do que deveria de acordo com o plano que eu tenho. So unfair.* * * Coloquei um montão de linques novos à direita e troquei a cor de fundo do blogue. Eu adoro azul. Não pra vestir, pra olhar. Mas aquele azul calcinha estava quase indecente de feio. * * * Bent Objects: potinhos de remédio, cenourinhas, rolhas, caixinhas de uvas passas viram pessoinhas e contam histórias. Amei. * * * Adoro quando meu tchefe me pede pra fazer alguma coisa -- achando que eu não tenho nada pra fazer (o que muitas vezes é verdade) -- e eu digo: "Já fiz.". Hoje mesmo ele disse: "You're great". Adoro, né? Beto Marc@ ficou em casa hoje. Pegou um vírus letal. E desse vez é verdade, porque eu vi que ele usou o cartão do escritório na farmácia. 35 dinheiros e uns trocados.

6 comentários:

  1. Quando você mandar os livros pelo correio, pode incluir aquele serviço de rastreamento...mais garantido, né??
    Ai que delícia fogueira cheia de gente em volta. Me deu vontade!!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. A empresa dos livros já manda o envelope pré-pago pra gente. Perder livros em trânsito é um risco do negócio, que eles assumem já que querem economizar, né? Se com rastreamento, o valor deveria estar incluído no que a gente paga.

    Fogueira é tudo!

    ResponderExcluir
  3. Eu também faço isso de falar "já fiz". Às vezes eu tô lendo blog, na maior cara dura, e digo "já fiz". O pior é que eu não fiz.

    É sacanagem deixar de chamar alguém pra esse almoços de confraternização. Eu sempre chamo. Mesmo que, às vezes, tenha a certeza de que vou ouvir um não.

    ResponderExcluir
  4. Neutron, quando eu digo que já fiz, é que eu já fiz mesmo. Não consigo mentir. :) Agora... muita confraternização também cansa, hein?

    ResponderExcluir
  5. Uma das coisas que me alegra esse ano é o fato de não pertencer a empresa nenhuma. In other words, nada de almoços, amigos secretos, festinhas com geral caindo de bêbada e se agarrando. Acho que um dia sentirei falta de coleguinhas, mas, até agora, estou bem feliz assim.

    Eu quero um quintal pra fazer fogueira e contar causos! Vocês assam marshmellows?

    Eu ganhei um link! :-OO Que alegria!

    ResponderExcluir