22.4.07

Hein?

O hard drive do computador que ficava na sala para uso comum de todos encontra-se na casa de J'., mas parece que o problema - alem de eu nao poder escrever com acentos, o que me da uma angustia muito terrivel e pelo que me desculpo (me desviei agorinha de uma cedilha, pra nao ficar tao horroroso) - eh muito grave. Perdi fotinhas que eu, eventualmente, terei/teria que mostrar pra imigracao, perdi musicas que eu posso baixar de novo, e, por obvio, nao posso usar o computador toda hora porque estou usando o laptop emprestado do roommate. Um novo computador portatil deve chegar na proxima semana, um que eu vou poder configurar pra escrever os acentos todos.

A historia com o tio professor: No fim das contas, ele quis dar uma de "tenho 8 anos" e foi reclamar com as chefes que eu era injusta e que estava sendo tiranica. E falando comigo como se nada. No telefone, um papinho todo conciliador. Chefas escreveram pra mim, eu contei minha versao da historia, meti uma citacao de e-mail dele com um ingles capenga e me coloquei a disposicao pra conversar com elas e com o tio. Elas escreveram para o tio, convidando para a mesma conversa, mas ele nao quis saber. Niqui, ele foi "despedido". Mas apareceu, obviamente, como se nada houvesse acontecido nessa vida. E foi "despedido" ao vivo. Ui. No dia eu nao sabia se sentia alivio ou se sentia peninha do tio. Mixed feelings.

Papinhos: Eu, ja querendo desistir de tudo, lembram? B. aconselhou que nao. Que eu tinha que stand up for myself, que eu gosto de dar aulas e ia ser injusto, etc. Nao desisti. Depois meu irmao - 6 anos mais velho que eu - me mandou e-mail dizendo que um coleguinha de escola, com quem estudei ate a 8a. serie, eh o chefe dele no forum. Esse coleguinha..., digamos que com esse coleguinha nao guardo nada em comum. Nas minhas tentativas vas e pateticas de me enturmar, esse coleguinha ia em casa estudar, as vezes. Porque eu era a nerd que ajudava os coleguinhas em vesperas de provas. Enfim, esse coleguinha nao goza de muito apreco entre os membros de minha familia que dele se recordam (ou seja, meu irmao e eu), e meu irmao estava se sentindo cuspe de pulga porque ele eh mais velho e estava la trabalhando pra esse mocinho, trabalhando um trabalhinho que nao eh besta mas que tambem nao eh dos mais, como direi?, challenging intelectualmente falando. (Porcaria, minha mente agora esta embotada pela lingua estrangeira que falo e escuto dia apos dia).

Rewind: B. me diz que cada vez mais ele chega a conclusao de que ele prioriza fazer o que ele gosta, em detrimento de ganhar dinheirinhos e ter certos confortos que nao sao exatamente confortos, chegam a ser luxos. Acontece que aqui nesta terra, os valores protestantes - sabe aquela historia de o trabalho faz o homem? - fazem com que as pessoas tenham por objetivo na vida trabalhar para se aposentarem bem, porque esse eh o direito delas. Nao que nao seja, nao posso dizer que nao seja, mas, incutido nessa historia esta o causo de que quem nao luta pelos tais luxos, quem nao ganha o suficiente para te-los, eh loser. Ou seja - engracado, agora me lembrei de Marx (cof, cof, se for Marx, se for realmente o que ele pensa e eu nao estiver maluca), que diz que o homem eh produto de seu trabalho (o do homem, nao o de Marx: HA!) - as pessoas sao definidas pelo trabalho, pelo salario, pelas posses. Eu fui fonte de muitos confortos para B. Agora eu nao sei mais se eh porque sou brasileira e no Brasil eh assim, ou se eh porque eh assim que EU sou, mas na hora eu disse que eu, pessoinha brasileira, nao compreendia isso. Que pra mim, as pessoas sao porque SAO, porque pensam assim ou assado, ou sentem isso ou aquilo, nao porque tem tais e quais coisas, ou tem este ou aquele emprego. Ou talvez seja porque a gente nao corre aprecado pra botar rotulo de perdedor nas testas alheias por causa disso. Sera? Ou sera que na minha terra os sabias nem cantam mais bonito que aqui?

Forward: Recebi o tal e-mail do meu irmao e pensei comigo: Vou ter que ter com ele a mesma conversa que tive com B. Pois foi. Eu disse pra ele, G., voce pode fazer seu trabalhinho besta, ganhar so esse tantinho, mas oh, pode deixar que eu garanto que voce eh uma pessoa muito mais tchans que o coleguinha (embora eu saiba que ele possa ter mudado - vou ter que duvidar, desculpe). Mais interessante, mais interessada. Meu irmao, por sua vez, derramou elogios a B., pelo conselho de nao desistir. Disse que ele, como eu, temos que aprender a perseveranca. Uau.

Nenhum comentário:

Postar um comentário