15.3.07

Sonhos

Todo dia quando acordo (o mais certo seria dizer "toda tarde"), eu lembro do que estava sonhando. Às vezes acordo de madrugada, para um No. 1, e interrompo o sonho, volto pra cama, e continuo sonhando a mesma história. Eu tenho que contar o sonho pro B. logo que acordo, se não eu esqueço durante o dia. Mas ele já está de saco cheio dos meus sonhos porque eles são sonhos bocós. sem pé nem cabeça, e quando ele acorda, ele só quer tomar banho e ler notícias no sítio da BBC. Então pensei que em ter minha própria lanterninha e o caderno que a mãe do B. me deu de Natal (ou melhor, que o Papai Noel deixou na minha meia - porque eu tinha uma meia toda minha com meu nome) e caneta pra poder escrever embaixo da coberta, igual menininha de filme. Mas não ia funcionar, porque B. estari sob a mesma coberta.

Ontem, por exemplo, sonhei que tinha um bicho no meu olho bom (o que não é o olho Rocky, que dói e chora sozinho quando o tempo está muito seco). Eu olhava pro bicho com o canto do olho, no espelho. E só eu conseguia ver e tirar o bicho do meu olho.

Eu, que não creio, lembrei de Mateus 7, 3 e 4. Enfim, bobeirinha.

Ãin, que mais? O tempo, né? Essa semana fez calorzinho, mas o fim-de-semana vai ser de chuva e frio e talvez neve. Não aguento mais! Não aguento mais. Neve é bonitinho quando você nunca viu na vida, e sai correndo abestalhada pras botas fazerem chuchi-chuchi e lambe neve que caiu na sua cara, etc., todas essas coisas que gente bobinha faz (vide Paula - Paula, eu sou bobinha também, mmmkay?), mas chega que cansa. Não quero mais frio, não quero. B. disse que depois eu vou pedir pelamô, porque vai fazer um calor da pourra e vai ter bichos pra picar a gente em todos os lugares.

Num outro sonho eu estava de All Star e tinha uma festa na casa onde eu cresci. Na cozinha, estava meu irmão mais velho. Em cima da máquina de lavar louça que tinha lá (uma bem velhona e grandona), tinha um aquário com 3 peixinhos beta (que não podem morar no mesmo aquário, porque eles brigam e se matam). Um dos peixinhos já estava de barriga pra cima, pronto pra morrer. Pinguei um remédio na água e ficou meio azul, meio vermelha. Quando voltei, meu irmão tinha tirado metada da água do aquário. Não! Não pode!, eu disse, porque o remédio ia ficar muito forte e os peixinhos iam morrer.

4 comentários:

  1. maria claudia3/15/2007 9:17 PM

    ãin

    acho que é isso sim.
    cansei.

    saudades de papear tchuca!
    beijo

    ResponderExcluir
  2. Eu não lembro dos meus sonhos!

    ResponderExcluir
  3. MC, nãããão!

    Carecone, eu também não lembrava. Só muito raramente. Não sei o que tem nessa água, nessa neve ou nesse cama que me faz lembrar.

    ResponderExcluir