6.3.07

Dos diários secretos

Quinta-feira, Outubro 26, 2006

No avião, comigo, estava o Milton Nascimento. Mas ele estava na parte do avião de gente rica, e eu na de pobrinhos. Rá. O homem que sentou do meu lado queria puxar conversa, mas eu não quis papo. Eu comi a janta de avião. Estava muito boa. Peito de frango, com ervas, cenoura e vagem. Também vinha pão com manteiga e cream cheese.

Cheguei bem cedinho (tipo antes das 6) no aeroporto e passar pela imigração foi fácil. O hominho nunca tinha visto um visto que nem o meu e foi super bonzinho. Ele até me deu uma autorização de trabalho, que é válida pelos 3 meses do visto. Na prática, ela não vale de muita coisa porque, justamente, só vale por 3 meses - e quem quer contratar alguém por 3 meses? Eu tive que ir pra uma outra salinha e ele me acompanhou e disse pro outro hominho que "It is a looooooove connection", bem engraçadinho praquela hora da manhã. O Milton Nascimento estava na minha frente na fila. E ele se veste muito mal. Um sapato meio cor de laranja, sabe? e a calça clara caindo pro chão. Ele teve que lamber os dedos pra digital dele sair na máquina. Milton Nascimento tem dedos secos. Eles tiram nossas impressões digitais e uma foto.

Aí eu peguei minhas malas e fui encontrar o B. Tive que esperar um pouco, porque ele pegou trânsito! e não chegou na hora. Aí a gente foi tomar café da manhã. Eu comi French toasts, tipo rabanada, com banana e morango e ovos mexidos. E tomei café. Que é igual ao de filme mesmo. Vem numa xicrona e é bem fraco. Aqui em casa, o café é feito em cafeteira elétrica e é desse jeito também. A gente não pode fumar nos restaurantes e bares de Nova Iorque. O maço de Marlboro lá custa mais que 7 dólares!. E muitos mais !!!!!!!!!!!!!!!!! pontos de exclamação.

Aí fomos pro hotel. Tenho algumas fotos na máquina, mas não sei onde está o cabo USB pra poder pegar as fotos. O hotel era bem do lado das torres gêmeas e eles já estão construindo novos prédios no lugar. Mas a obra ainda está bem no comecinho, na fundação. A gente ficou no 41º aindar. O elevador ia tão rápido, que o ouvido entupia, que nem quando a gente desce a serra pra ir pra praia. Não deve ser saudável ficar subindo e descendo de elevador desse jeito.

Fomos almoçar. Eu não sei os nomes dos lugares por onde a gente andou. Só sei que eu achei um restaurantezinho japonês super baratinho - por acidente - que vendia sushis com 50% de desconto. A gente pediu 3 rolos de sushi e uma salada (temperada com missô), e um missoshiro. Ficamos andando por ali e meu pé fez bolha. Nas botas peludas quentinhas. Então a gente foi num café e eu remendei os calcanhares e tomamos café e vinho. E depois a gente só ficou andando de bar em bar, bebericando. Fomos a um barzinho super simpático com jazz ao vivo.

No domingo, a gente só foi almoçar. Eu ia comprar um relógio farso na Canal Street (que é a 25 de Março daqui), mas achei que já que aqui o relógio nem é tão caro, não valia gastar dinheiro, por menos que fosse, num treco que ia pifar em 3 semanas.

E viemos pra casa. Eu fiquei super tímida, porque vocês sabem como eu sou tímida. E não consegui falar com ninguém direito. Fui dormir cedo porque fiquei meio doente - com tosse e espirrando e com o nariz um pouco entupido. Está frio pra caceta. Tipo uns 10ºC. Mas o maior problema era não ter feito Nº. 2 por 3 dias, porque meu c* fica inibido quando eu viajo. Mas tudo se resolveu porque na segunda-feira, te juro, passei uns 20 minutos fazendo No. 2.

Na segunda-feira eu fiz jantar. Fiz polenta com molho bolonhesa. Na terça... a gente pediu pizza, que nem é tão ruim assim, considerando que não tem forno à lenha. Ontem a gente foi pra cidade mesmo, a um restaurante árabe que foi muito bom. Depois fomos a um bar e o J. e a namorada dele - que ele não chama de namorada, porque ele não quer namoro sério - foram encontrar a gente. Na volta, eu vim de carro com o J. pra fazer um soci e nós paramos no bar daqui de perto pra tomar Cuba Libre.

3 comentários:

  1. Ioninha, vc pode escrever um livro que eu leio tudim. Me divirto.
    Lígia
    (PS Mudei pro blogger novo e não consigo póstar com o login do treco, sei lá, vai anônimo assinado mess)

    ResponderExcluir
  2. Ione, às vezes, bem lá no fundinho, eu confesso que eu queria que o meu filho ficasse só um diazinho com C* inibido. Acordar e sentir aquele cheirinho de fralda. Meu estômago acaba ficando inibido...

    ResponderExcluir
  3. Lana, você ia passar o dia dando mingau de aveia com ameixa pra ele!

    ResponderExcluir