25.1.07

Alô? Cruz Vermeia, RP

Alguém? Eu tipo queria escrever aqui, mas eu fico pensando no que eu iria contar e não sei o que contar. O David Sedaris me bloqueou. Agora eu quero ser engraçada e não consigo, porque eu sei que o David Sedaris existe e sei que ele é muito mais engraçado que eu. Pra você compreender o nível de convencimento do ser, achando que antes era totalmente ouquei escrever só porque ignorava a existência de David Sedaris, achando que era engraçada e que as pessoas riam de dobrar a barriga e sair lagriminha bem no cantinho do olho e fazer óinque que nem a Grace do Will & Grace quando elas liam o meu blog.

Também há a questã de não querer dividir. Porque eventos passados muito me traumatizaram na vida, do tipo haver um mocinho o cujo (hein?, o Saramago escreve assim, oqueui? - rá!) achava que eu estava fazendo troça com a cuja cara. Então não quero fazer graça com ninguém, porque fazer piada às custas da cara dos outros é bacana, especialmente quando o outro não é você. Ou pelo menos foi isso que o mocinho pensava, modos que deve haver outras pessoas que pensem o mesmo.

(Gentê, quero assegurar que eu sei usar cujo(a)(s). Só escrevi errado para dar um efeito. Aí eu faço a gracinha e depois eu remendo porque eu tenho nojinho de fazer erros gramaticais. Pelo menos em público.)

Por exemplo. Agora eu trabalho na Cruz Vermeia. Vou escrever assim para que as pessoas não venham para cá querendo saber dessa tão honrosa instituição sem fim lucrativos, para se depararem com esse blog. Quartas a sextas, das 9 às 6. Trabalho, não, porque eu não ganho dinheiros. Ajudo. Todo dia antes de ir embora, minha chefe diz "obrigada por nos ajudar hoje!". Parece um comercial. Não ganho dinheiros, mas salvo vidas e ajudo a minimizar o sofrimento humano. Porque você sabe que esse é o objetivo da Cruz Vermeia. Eu, por exemplo, salvo vidas e atenuo o sofrimento humano colocando endereços em cartões postais convidando pessoas para o Baile Vermelho, ou passando fax, ou pegando fotinha da internet porque ninguém conhece a magia do Firefox e só usa IE, ou digitando uma lista resumida de uma lista maior de contatos, lista essa pela cuja a gente paga dinheiros para ter. Eu sou a voluntáriarp02 (traduzi). Tem esse telefone lá, ele apita e pisca luzinhas quando alguém está me ligando de outro telefone no escritório. Aí era minha chefe e, tipo, o telefone é tão especial e mágico que eu sei que é ela, porque a luzinha do ramal dela pisca luzinhas pra mim. E eu disse "alô". Mas "alô" não era suficiente, porque eu tenho que dizer "Cruz Vermeia, RP". Juro pra você. Da segunda vez que ela me ligou, eu disse "Cruz Vermeia". E ela ressaltou que eu tinha que dizer RP. E eu, tá. Ela ligou de novo e eu disse as palavras mágicas, mas eu quase disse também "oi, você sabia que eu sei que é você me ligando? e que o seu telefone também faz as mesmas mágicas? E que se eu sei que é você e você sabe que você está me ligando, então eu poderia somente dizer 'alô'"? Mas não. Então eu salvo vidas dizendo "Cruz Vermeia, RP" também. Eu sou muito especial. Aí que não tem suficientes ligações de outros ramais internos, ou suficientes postais ou suficientes listas para digitar, para que eu possa salvar vidas por todas as 6 horas em que estou lá, modos que é aborrecido. E eu quero morrer. Mas um dia, né?, um dia, eu vou poder procurar um emprego que pague dinheiros e eu acho muito nobre que o objetivo que me mova a procurar cujo emprego seja justamente o fato de que ele me pagará dinheiros, embora eu fique realmente muito emocionada quando pego as estradas interestaduais tipo I-95 North ou I-76 East (sei lá, me perco com pontos cardeais) e dirijo ouvindo rádio e sei, dentro de mim, no meu mais profundo íntimo âmago, que estou indo pra lá não só dizer "Cruz Vermeia, RP", mas estou indo salvar vidas e a atenuar o sofrimento humano.

.

.

.

Reflitam. Vocês querem continuar sendo pessoas amigas de minha pessoa? Porque eu acabo de dizer que dinheiro é importante e que a Cruz Vermeia, se possível, servirá como um incentivo a potenciais empregadores para que me dêem uma oportunidade de trabalho em seus empreendimentos, em cujos quero ser secretária. Eu estou usando a Cruz Vermeia, lugar em que sou a voluntária exótica, a voluntária brasileira, é isso mesmo, você ouviu bem, a voluntária do Brasil!

Pode parecer chato ser secretária, que é tipo o que eu faço para salvar vidas, mas eu acho que é massa. Eu sou organizada. Eu gosto daquelas lingüinhas coloridas de poustiti e de poustitis e de pastas e etc. Eu sei falar no telefone, eu sei escrever cartas, eu sei marcar viagens, eu sei fazer arquivos de power point, eu sei dizer "cruz vermeia, RP". E, havendo pagamento e havendo a possibilidade de eu ganhar dinheiros baseada no meu senso de organização e, mais havendo a possibilidade de não sofrer horas infinitias após o expediente como era costume acontecer durante minha vida legal, então que bem.

Mas tem os formulários todos pra preencher e pra pedir por favor pra me deixarem morar aqui, pra pedir por favor que eu esteja autorizada a trabalhar e para pedir por favor que eu possa voltar para cá, se ocorrer de eu deixer o país sem antes ter as papeladas certas, isso é, o cartão verde.

E isso me agonia. Porque não é uma questã somente de eu ter que preencher mais formulários, e ir ao médico. É uma questã também de resolver mis coisinhas que requerem dinheiro e requerem, bom, que eu faça as coisinhas. E isso leva tempo e eu realmente estou cansada de formulários. Peguei nojinho. Ai.

Pai, mãe, não se preocupem. Está tuuuuuuuudo bem. É só uma preguiça que se abateu sobre mim.

Eles não vão ler essas coisas aqui, vão ler no blog secreto ou vão ler por e-mail, mas é bom deixar a nota.

Que mais? As pessoas aqui são grandes. Porque eu rodei xópins e lojas procurando um bom casaco que fosse bem quentinho (as roupas da super liquidação de inverno do Brasil não são suficientes para as temperaturas nessa latitude/longitude). Mas não consigo encontrar. Achei um casado de primavera, mas tipo, faltam 2 meses de frio intenso para a primavera. Tudo é grande. Tudo é enorme. Olhei lá onde dizia "petites", e cabiam 2 mãos espalmadas entre minha pança e o casaco quando abotoada, se é que me entendem. E eles custavam uns 220 dólares. Gentê, a Cruz Vermeia não me paga dinheiros para salvar vidas. Olhei nas roupas de crianças, aí eram muito pequenas. Um dia me encontrarão, encolhida, rija e azul, na esquina da 23 e Chestnut.

Inclusive, inclusive, há toda essa questã do silêncio. Ninguém conversa, ninguém faz ligações pessoais, ninguém faz fofoca de nada. Nada, gentê. Ninguém faz uma pausa para o café - que pode ser bebido de graça - para conversar com as coleguinhas de trabalho na cozinha. Eu não sei se é porque estão todos ocupados salvando vidas ou se é porque eles são todos americanos. De repente, né? É uma questã de eles serem exóticos para mim.

5 comentários:

  1. Querida Ione. Muitas vezes eu ri de dobrar a barriga e sair lagriminha bem no cantinho do olho, mas não me lembro de fazer óinque.
    Sedaris é mesmo. Fazer o que?
    Que a Cruiz Vermeia te abra portas, vamos torcer!!!
    Bom ter notícias suas!!!!!
    Amor

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre ri tanto no seu blog! Não de fazer óinque, mas de fazer hahaha alto.

    Ione, que sonho ser secretária! Organizar tudo, escrever em post-its não só porque você gosta, mas porque é necessárioo!

    ResponderExcluir
  3. óinq, óinq, riiiinc....eu sempre ri muito do seu blog tb (estava rindo COM você, deixemos claro). Mais de uma vez, alto suficiente pra olharem estranho pra mim no trabalho.
    Não nos deixe, menina Ione! Escrever blog também é salvar vidas! hehehehe
    bj!

    ResponderExcluir
  4. Eles são exóticos, com certeza. E continue assim, salvando uma vida a cada post it colado. Mas se isso ajudar a salvar a SUA vida (conseguindo um emprego remunerado), você não será uma pessoa péssima por isso. Sua vida também é digna de ser salva, oras (ops, não sei se isso soou direito. Mas você me entendeu).

    ResponderExcluir
  5. Brrrrrrrrrrrrrhahahahahahahhahahahhaha!
    Eu quero continuar sendo tua amiga. Porque eu faria o mesmo. E esse teu parágrafo final define bem o MEU emprego atual. Na prefeitura. Tem de tudo nesse mundo.
    :*

    ResponderExcluir