4.10.06

E, depois desse post, vocês podem esperar o resto da vida,

porque eu vou parar de escrever. Porque parece que é isso que eu faço. Meia dúzia de posts e depois sumiço.

Porque eu sou self-absorbed. E anti-social. Até interneticamente falando.

Motivos pelos quais, também, eu não tinha visto meu nome escrito ali até hoje. Lígia, Lígia, me perdoa?

"Cada bloguista participante tem de enunciar cinco manias suas, hábitos muito pessoais que os diferenciem do comum dos mortais. E além de dar ao público conhecimento dessas particularidades, tem de escolher cinco outros bloguistas para entrarem, igualmente, no jogo, não se esquecendo de deixar nos respectivos blogues aviso do "recrutamento". Ademais, cada participante deve reproduzir este "regulamento" no seu blogue."
Quebrarei as regras, por óbvio, e não indicarei 5 outras pessoas para responder isso, pelos motivos que passo a enumerar:

1) a onda passou;

2) eu não conheço 5 pessoas que responderiam isso. É sério. Eu sou a menina bolha, tal qual John Travolta, no emocionante clássico de Sessão da Tarde.

Manias, né? Se eu for fuçar os arquivos do menino, eu já escrevi sobre isso. Pera aí.

.


.


.


.

Googlando.

.


.


Achei. Espero que eu possa postar mais que 5. Post de 2001 - revisado, anotado, comentado, tal qual um código de processo civil.

Novembro 7, 2001
As minhas manias

Eu tenho algumas manias. Acho que todo mundo tem, não? Vou colocar algumas aqui, as de que eu lembrar. Vamos ver...

Eu nunca (que fique bem claro), nunca tiro o selinho que vem do lado da caixinha de cigarros. Nem permito que alguém tire. - Troquei pra maço. Pra que pagar R$0,25 a mais só por causa da embalagem?
Sempre aperto o tubo da pasta de dente de cima pra baixo. E passo o cabo da escova, pra ir alisando e ficando um tubo bem asseado. E fico possuída quando alguém faz diferente (mas eu nunca cheguei a fazer nenhuma reclamação de fato). - Verdade! Ainda faço. E ainda fico possuída.
Deixo as comidinhas mais gostosas pro final. - Meu pai e meu irmão Gunga e a Iaiá também.
Nunca uso a borracha que vem na ponta do lápís ou da lapiseira.
Grifo as passagens mais bonitas dos livros que eu leio (mas sempre a lápis)
Só faço anotações com minha lapiseira que me acompanha desde o cursinho, com grafite 2B Pentel. Acho que perdi essa lapiseira. Tristeza no coração. Nunca anotei aulas usando a boa e velha caneta.
Sempre carrego minha fiel reguinha de 15 cm no estojo (presente da minha tia, vindo diretamente do Marrocos. Um luxo, não?). Se ela não está, eu fico me sentindo pel* *ada. Então eu ando pel* *ada sempre, porque eu não tenho mais essa reguinha. E nem uso mais esse estojo. Ou eu jogo as canetas dentro da mochilinha ou uso um estojo que eu tenho desde os 15 anos, de lata.
Só canto quando eu estou sozinha. Porque eu tenho pudor.
Coloco aveia no leite, pra esquentar (vira meio um mingau) e depois coloco Toddy. Eu tenho 8 anos de idade.
Só como mamão de colher. Agora eu também misturo aveia e mel e como aos pedaços.
Sempre-sempre guardo fósforo usado na caixa. É, mas agora eu tenho tipo, uns 5 isqueiros Bic, das mais variadas cores.
Coloco cinto imediatamente depois de sentar no banco do carro. Because I'm anal like that.
Enfio toda sorte de papelzinho inútil dentro da bolsa (esse é um hábito cidadão -- é pra não jogar em qualquer lugar, pela rua). E fico segurando bituca de cigarro também, até achar um lixo.
Cutuco o cantinho do polegar, incessantemente. Calo! O mais engraçado foi que isso começou quando eu li um livro do Paulo Coelho. É isso aí! Atirem pedras! Eu já li Paulo Coelho. Mesmo porque sou adepta do "tenho que ler pra poder criticar" e "tenho que dar uma chance a qualquer ser humano que se diga escritor, mesmo que ele se chame Paulo Coelho".
Mordo o lábio.
Se eu vou tirar uma sonequinha fora de hora, sempre fico com óculos.
Coloco os óculos pra escutar melhor.
Leio vários livros de uma vez.
Uso, a cada 5 segundos, a expressões "coração peludo", "toda sorte de", "do Bem" (ou "do Mal"), "mundo de moranguinho", entre tantas outras. Uso, também, muito a palavra "ludibriar". Acho linda essa palavra. Aaaahhhh. Me faz lembrar de Lulu. E do Rio. Aliás, meu amigo Lulu agora mora no Rio.
Corrijo erro de Português em tudo quando é texto que eu leio, embora eu mesma escreva mal e porcamente.
Só uso anel no dedo "seu vizinho". Não uso mais anel.
Se meu leite está sem aveia, não tiro a colher da xícara, quando vou tomar.


Cabô.

5 comentários:

  1. Sabe Ione, eu nunca te vi e nunca nos falamos também...até ensaiei. Mas pra dizer o que? Pois é, e ainda não sei o que dizer. Mas posso falar o que sinto, um dia (eu já te contei esta parte) procurando alguma coisa bacana na internet que descrevesse o meu momento, achei o didentro, e comecei a ler as coisas que estavam escritas no ultimo post que você deixou lá...achei fantástico, tão fantástico, que procurei por mais, e achei muito mais nos arquivos. Putz, tinham muitos meses escritos lá. Procurando me organizar, para não perder o fio da meada, fui do primeiro post ao ultimo, e voltei a fazer isto mais uma vez.

    Me emociona de verdade tudo que esta escrito lá. A Ione que escreveu tudo aquilo, era uma garota fantástica, sensível, muiiiiiiito inteligente, família pra caramba, bem humorada até quando falava dos sentimentos e dum pouco da rotina da vida que qualquer um de nós. Conselhos memoráveis para nós hominhos dummies, que de verdade não sabemos nada de vocês.

    Aquela Ione, com uma super-hiper-mega dor de cotovelos, me deixou (e deixa) encantado. Para mim o didentro é uma wikipédia, onde eu busco informação, diversão, conselhos e um ombro amigo. Não é nada- depre-não, pelo contrário, o didentro me inspira e me sensibiliza muito.

    É uma pena que tenha decidido (a gente sempre pode mudar de idéia, ainda mais sendo ex-moranguinho) parar de escrever...meu, você teve uma super audiência, e você fala em ser anti-social???? Puxa, isso você não é mesmo...talvez no cara-a-cara de alguma forma as pessoas te acham um azedume (aliás, você tem tudo para ser um azedume...vc se acha, haha), mas com o teclado você é fantástica mesmo.

    Esteja certa, eu e muitas outras pessoas gostaríamos de ler a Ione de outros tempos, apaixonada, passional, franca, despojada, sem maquiagem inclusive. Quem sabe não é? A vida da gente muda, a gente amadurece, o tempo fica escasso, e os amores são diferentes...inclusive o que pensamos sobre ele (amor) e o que significa para nós...concordo. Se um dia você amanhecer (mais uma vez) apaixonada e com vontade de escrever, por favor me avise.

    Ignore as entrelinhas e/ou alguma possível ofensa, agradeço muito ter te encontrado (por 2 vezes), e principalmente agradeço pela emoção que você me proporcionou.

    Beijo,

    Carlos.

    perto_distante@ubbi.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nooooossa, Carlos, que bonito tudo! Amei tanto e fiquei feliz que você tenha lido do primeiro ao último post. Não vou parar de escrever pra sempre. O blog está aqui. De vez em quando volto - não com a mesma verve, nem com a mesma vontade. Só coisinhas, um pouco enigmáticas demais e, portanto, até desnecessárias. Só um registro que talvez só valha para mim e seja de pouco interesse para quem (ainda) lê o blog.

    Apaixonada, sempre. Com dor de cotovelo? Às vezes. Com vontade de escrever sobre isso? Muito pouca, pra ser sincera. Aprendi que as pessoas que são objeto da nossa paixão nem sempre gostam da forma que são retratadas e que quase todos os personagens - reais, na maior parte, com um toque de invenção, sempre - não se reconhecem no que eu escrevo na maior parte do tempo. Eu só aprendi a guardar pra mim - e dividir só com algumas pessoas - o que é meu, da minha vida. Mas a vida continua e as emoções também.

    Quem sabe, tomara, eu volte a escrever como antes, se eu sentir que o que eu vou receber de volta vai ser carinho, boas energias e pensamentos, e se eu perceber que as outras pessoas que fazem parte das minhas histórias não vão se importar e vão se sentir bem em estarem em público - não é exatamente uma escolha somente minha.

    Beijo,
    Ione

    ResponderExcluir
  3. Ioninha, a culpa foi minha que acho que coloquei vc e não te avisei, não tenho que perdoar nadica. Até suas manias são delícia!!!

    E eu espero poder te ler sempre...

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  4. I miss you... Gotta stop by one of these days to tell you the news...
    Mimi McBrine

    ResponderExcluir
  5. I forgot to comment that I'm reading Kiss & Tell by Alain De Botton like you suggested me...
    Mimi

    ResponderExcluir