6.6.05

Não sou boa de continha

Eu queria beijar na boca quem foi que inventou as calculadoras, e eu dava agora pra quem inventou de colocar calculadoras nos celulares, especialmente no meu (ainda não cancelei, mas devia: ninguém liga pra mim). Só não beijava na boca nem dava se fosse mulher, ou se fosse um tipo bem feinho daquele que dá ãrgui. Sabe como? Ãrgui. As in irque. Porque eu não sou boa com continhas. Porque eu não sou boa com continhas, eu não gasto dinheiro. A última vez que gastei dinheiro foi pra comprar a câmera digital, que é tipo o melhor brinquedo que pode existir. Inclusive porque o mundo é muito grande. As in que mundo grande da pourra. Ãin. Big no no. Depois te ter emagrecido mil quilos, ainda tô usando minhas roupas de gorda. Potato girl. Falta pouco pra eu vestir sacos amarradas com barbante na cintura. Faz uns 3 anos que comprei um par de sapatos. Faz un 4 que comprei uma calça. Mentira, que quando eu embaleei (virei baleia), tive que comprar roupas emergenciais e chegar em casa e chorar em cima de uma roupa número 42. Assim, dividir continhas no restaurante? Sou péssima. Somar as notinhas em cada um dos quesitos das provas orais dos alunos?

Mas não era disso que eu queria falar. Eu queria falar na minha dificuldade em dividir. Dividir informações, contar da minha vida. Não sempre e não com todo mundo, tem sempre pra quem eu conte as minhas coisas. Mas ando tão sanatorinhos, com chick mode on e ãin e evitativa e com preguiça das pessoas, das pessoas todas, excetuando algumas que quando eu vou contar (cof), não chegam ao dedo mindinho da mão direita (que eu começo a contar pelo dedão da mão direita), modos que eu poderia ter a mão do Lula e normal. Viveria bem assim. Mas você entende por que eu fiquei evitativa e agora não me sinto compelida a dividir, entende? Provavelmente não. Porque o que eu tinha pra contar, eu contei em código, o que foi uma tentativa vã de dividir mas sem realmente ter que.

Então é isso. Eu fico constantemente botando o superego pra funcionar e nesse momento ele me diz pra eu censurar várias coisas. Nesse momento ele me diz que eu devo ficar meio quieta. O que é um problema quando você tem um blog. Um blog preenchido com silêncios não é muito um blog, certo? Fora isso, eu não tenho mesmo muito o que fazer da vida e eu não vou contar sobre meu trabalho, porque o superego mandou avisar que sobre trabalho a gente não fala em blog, mesmo que eu tenha uma caraiada de coisas boas pra contar. Vai tendo paciência comigo. Vai puxando um assunto. E vai dizendo continuamente pra mim, meio que mantra, a história de a 'a vida é uma merda, mas não o tempo todo, e a gente vai dar um jeito nisso'. Eu realmente preciso ouvir isso de novo e de novo.

6 comentários:

  1. eu participo. e entendo perfeitamente.
    a gente vai dar um jeito nisso.

    ResponderExcluir
  2. Tô longe, Ione, mas te ajudo como puder a dar um jeito...beijos!
    Lígia

    ResponderExcluir
  3. A melhor coisa que ouvi até agora: I can make it. Só não peça pra entender.

    ResponderExcluir
  4. Ione, é claro que a gente vai dar um jeito nisso. É claro que vai.

    ResponderExcluir
  5. ih querida, a gente sempre dá um jeitinho! :)
    Beijinhos
    Manu
    (www.longe_daqui.blogger.com.br)

    ResponderExcluir