19.6.05

Dear America - Letters home from Vietnam

Se você já tá totoca, ouvindo essas músicas todas de que eu falo e blábláblá, não carece ler esse livro. Porque, vou falar, é porrada.

Não queira nem folhear na Amazon, porque você vai sofrer sofrimentos intensos e querer chorar.
Assim, ó. Não é igual a qualquer outra coisa. É triste. Mas triste MESMO, porque, pourra, são as próprias pessoas todas lá, elas mesmas escrevendo pras famílias delas e falando, 'pelamor, hoje meu amigo morreu enquanto eu segurava a mão dele e ele dizia que não queria morrer agora, ou ontem eu matei um VC e pourra, eu tenho mesmo que matar gentes?". Você lê 3 páginas e chora muito. Sabe quando você precisa chorar, decumforça, e muito, assim de soluçar e ficar com olhos de sapo, de modo que você acorda no dia seguinte e se vê no espelho e pensa: Ãin, trabalhar? Com essa cara?, e aí você vai mesmo assim, porque você é pobre de marré e tem-que? e vai à locadora depois e pede ao tio atendente: 'Oim, tô sofreindo (note o sotaque paulistano). Preciso chorar. O que você tem aí pra chorar?', e ele te indica os filmes mais chorosos do mundo, mas só se for o tio da 2001, que esses da Blockbubster, vou te falar, se eles sabem os nomes deles é muito.

(aliás, sabia que não dá pra procurar filme por diretor no sistema da Block? Incrível. Fui perguntar se tinha outros filmes do Wes Anderson, além dos Tennembauns, e eles me deram um guia ridículo de 1900 e bolinha, que nem o nome dele tinha, nem o de Owen Wilson, pra você ter uma vaga noçã da bela porcaria que era o tal livro. Mas tá. Confio que logo chega um pacote com os dois primeiros filmes dele pra eu ver e depois devolver. Uma coisa assim, empréstimo. Ou não. Me enfezei e nunca mais quero botar meus pés lá. Nem pra ver os bonequinhos fofos dos desenhos do Cartoon Network.)

Enfim. Li essas cartas hojes de um soldado que foi feito prisioneiro de guerra e passou 7 anos preso. Aí tem lá as cópias das cartas que ele mandava à mulher. Uns papéizinhos com meia dúzia de linhas. Dizendo como as coisas eram difíceis, no começo. E você fala: 'caraio'. Mais tarde, dizendo, ói, casa com outro porque, sério, já faz muito tempo e é muito injusto. E você faz: Num posso crer. A última contando dos planos pro futuro, de como ele ia voltar e eles iam fazer tantas coisas juntos. De como eles iam ver uma casinha bonita pra morar e passar um tempo no Havaí. E você com esperança no coração, torcendo por uma história de 40 anos atrás.

A próxima coisa que a gente lê: ele volta pra casa. E você fica: Yay!

E a próxima: ele se suicida três meses depois. E você chora.

E a seguinte: uma lista dos lugares que ele queria visitar, as pessoas que queria ver, os assuntos que queria estudar, os livros que gostaria de ver, os mil desejos.

Agora você entende?

5 comentários:

  1. Ain! Não não, nem sendo indicação sua...meu lado masoquista não aguenta mais sofrer com livros, principalmente depois que a primeira parte do Evangelho Segundo JC qse acabou com a minha vida. Deus me livre e guarde de um livro com histórias verídicas de sofrimento! Vade retro!!

    ResponderExcluir
  2. Criança, onde foi parar toda aquela expectativa feliz? E qual é a música dessa vez? Mande-me quando eu estiver online, porque aqui, você sabe, eles são muito chatos e não há outra forma.

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  3. Você sabia que tem um filme? Chama-se exatamente "Querida América - Cartas do Vietnã", feito para a TV em 1987. As cartas são lidas por gente como Robert De Niro, Willem Dafoe, Ellen Burstyn, Matt Dillon, Michael J. Fox, Matt Dillon, Harvey Keitel, Sean Penn, Elizabeth McGovern, Robin Williams... Foi lançado em vídeo na época, de repente você acha... Saudade de você.

    ResponderExcluir
  4. Ah, o link para o filme no IMDB:
    http://www.imdb.com/title/tt0092851/combined

    ResponderExcluir
  5. Thata, lamento te dizer, mas JC morre no final. :)

    Lys, mas quem disse que eu estou triste? Só fico mega emocionada com o livro.

    Renato, valeu! Acho meio difícil encontrar isso por aqui, mãs.

    ResponderExcluir