23.12.05

Uma carta do Papaione Noel - espero que Júlia, minha sobrinha, leve anos para descobrir esse blog

Pólo Norte – Dezembro de 2005


Querida Júlia,


Obrigado por sua cartinha. :) Percebi que você tem dúvidas sobre como os presentes são entregues às crianças. Você deve saber que eu sou já bem velhinho e não consigo mais dar conta de todo o trabalho que é fabricar os presentes e depois entregá-los a todas as crianças do mundo. Quando eu comecei a presentear a criançada, era mais fácil. O mundo era muito menor, não havia tantos milhões de crianças e nem tantas opções de brinquedos para vocês escolherem. Todos queriam bolas, bicicletas, bonecas e panelinhas. Os duendes, a Vovó Noel e eu fazíamos tudo durante o ano e uma viagem rápida ao redor do mundo com meu trenó e minhas renas era suficiente para entregar cada presente a cada menino e menina em suas casas. Hoje tem tanta coisa! Por exemplo, a Barbie. Ela tem marido, filho, amigos e amigas, uma clínica veterinária, uma banheira, um quarto, carro, animais de estimação. Gente! É muita coisa! E ela é só uma boneca. Imagine só quantas outras coisas existem por aí mundo afora. Então eu resolvi pedir ajuda.

Primeiro, pedi aos adultos que fizessem fábricas de brinquedo. Isso já diminuiu bastante o trabalho por aqui. Eu continuava voando com o trenó e dava conta de entregar tudo. Isso era no século passado. Mas no século XXI, o trabalho aumentou muito! Você não imagina como é cansativo. Percebi que minhas renas não agüentavam mais tanto trabalho numa noite só. São muitos quilômetros para elas voarem. Nem com muita comida mágica pra elas ficarem bem fortes.

Foi então que eu tive a idéia de pedir ajuda a outras pessoas grandes. Eu mando uma cartinha especial para vários adultos, dando autorização para que eles visitem algumas casas. Se você já encontrou algum, sabe como eles são. Às vezes, a barba deles cai e eles nem sempre sabem imitar minha risada muito bem. É muito engraçado! Se você encontrar um deles esse ano, seja boazinha. Eles estão trabalhando para mim e fazem isso com muito carinho. Eu mesmo me escondo, porque eu sou muito, mas muito tímido. Toda vez que você receber um presente de Natal sem ter visto o Papai Noel, isso significa que eu mesmo, em pessoa, estive em sua casa para entregá-lo.

Quanto às cartinhas que as crianças mandam, não se preocupe. Elas todas chegam a mim. Os pais me prometem que levam as cartas no correio e eu recebo todas. Às vezes não dá tempo de responder. Mas a sua carta foi muito especial e eu resolvi enviar uma resposta. Espero que eu tenha ajudado um pouco para que você entenda como o Natal funciona nos dias de hoje. Não fique triste se eu não aparecer e um dos adultos que trabalham como papais noéis de mentira visitá-la na noite de Natal. Isso não significa que eu não pensei em você. Em meu coração, tem um lugarzinho especial para cada criança no mundo.

Com muito amor e um abração bem forte,

Papai Noel

P.S. Espero que goste do seu presente desse ano!

Balanço (e as verdadeiras mensagens de natal)

Era uma vez, você sabe, eu estive unida estavelmente. Logo após eu não estava mais unida estavelmente e quando fui comunicada do fim do contrato e das razões e etcs, eu, basicamente, virei a pessoa mais detestável, mais in denial, mais besta que eu já conheci. A ponto de dizer que ia lavar pintos de pessoas com água sanitária? Tipo, come on!

Em seguida, após o período de negação e cegueira passarem, eu conheci um mocinho que, a princípio, era só um mocinho que morava muito longe e com quem eu adorava conversar. E ele me disse coisas que fizeram tanto sentido e que, pra dizer a verdade, me ajudaram mais que a terapia. Pra dizer a verdade, eu acho que eu estava tão fora de mim que eu mentia na terapia. Não de propósito. Na época eu achava que sentia aquelas coisas todas, o amãr, a raiva, o ciúme. Mas com o tempo eu fui percebendo que a ex-unidade-quase-marital tinha feito o que era certo, in a very distorted way, porque ele tinha sido honesto sobre os sentimentos dele (embora ele só tenha conseguido ser sincero consigo mesmo e ter me enganado só um tantico - mas, opa!, eu tava facinha de ser enganada, eu queria ser enganada, qualquer baboseira ia colar comigo naquele momento!) - coisa que eu não estava conseguindo ser. De mim pra mim. Gente, vou falar pra você, a verdadeira mensagem de natal é: orgulho é uma merda.

Aí eu fiquei de bem comigo, fiquei de bem com todo mundo, o mocinho de longe passou a ser mais que um mocinho bacana, embora à época eu também não soubesse muito bem disso, e eu mandei o seguinte e-mail às partes envolvidas (que nunca foi respondido, aliás).
9 de maio de 2005

Ouquei, here's the deal.
Acordei certo dia. Não isso não é verdade, não foi num momento em que acordei certo dia. Foi em outro momento qualquer do dia conversando com alguém por msn, porque a minha vida é isso. Momentos intensos de felicidades quando falo com pessoas queridas no msn. Percebi, decumforça, que sinto falta de todos três.
Tá, pode parecer papo de doudinha, vamos mandar agora cobrir meu quarto com uma lona e tudo mais e tragam a camisa de força, mas a verdade é que sim, eu sinto saudade de quando todos éramos felizes e conversávamos e tínhamos obsessões que partilhávamos uns com os outros. Diz que quando as coisas ruins passam, elas perdem sobremaneira a importância e a gente só fica com boas lembranças e dá aqueles sorrisinhos idiotas feito quando a gente está lendo, sei lá, o Mochileiro das Galáxias. Aí fiquei lendo o blog da Xis, fiquei lendo o blog da Ipsilone, do Dábliu não dava pra ler nada (acho) e fiquei pensando que pronto, passou, passou. Faz bem um tempinho que eu percebi tudo isso, só demorei a me decidir se eu escreveria ou não.
Passou todo o desconforto do mundo e a sensação de ómeudeus, nunca que vou ser feliz nessa vida outra vez. E a raivinha e o orgulho ferido. Cheguei a outras conclusões também, mas acho que não carece dividi-las aqui com todo mundo, mesmo porque vocês todos já devem estar achando, xi, pirou, ou sei lá, tá fingindo ser uma pessoa boa (que é das coisas mais irritantes de todo o mundo) nesse momento e por que será, meudeus?. Bom, vocês devem saber disso, mas, às vezes, life sucks. Às vezes não. Às vezes ela sucks umas horas e depois, quando vai ver não sucks mais e tudo que um dia sucked entra prum buraco negro bem grande e você fica com cara de pamonha pensando em como pode deixar de ter contato com essa ou aquela pessoa por causa desses momentos em que a vida, de fato, pareceu que sucked big time.
Tá. Devo aí desculpas ao Dábliu e à Ipsilone. Todas as coisas muito horrendas que eu falei, porque eu posso ser horrenda at times (e, bom, ser horrenda e falar coisas horrendas ornavam com o momento e naquela época eu quis dizer cada uma das coisas horrendas que eu falei, também não vou virar uma santa restropectivamente, sem fingimentos). Não retiro nada do que disse porque eu só estava sendo fiel ao que eu sentia, como cada um de nós estava. Falar que eu tava com raiva, magoada, blahblahblah, não ajuda muito, mas acho que vocês entendem. Cada um de nós agiu com certa dose de imaturidade, creio. Xis, acho que devo desculpas a você também, embora, mesmo àquela época, você tenha sido a pessoa que eu mais compreendi na vida. Pronto, desculpa a todos (e eu não estou fazendo isso como parte de um programa de 12 passos a caminho da recuperação moral e do bem-estar da alma ou coisa assim). I really mean it.
Fato é que eu gosto de vocês três. Decumforça. E, bom, vocês têm meu msn (xoxoxoxoxoxo, caso tenham esquecido) e meu endereço de e-mail e tô que tô aí. Tá, eu sei. Se vocês quiserem um dia falar comigo, se não ficaram pra sempre pootos comigo (como eu não fiquei pra sempre poota com vocês) porque eu realmente fui uma bitch, não tô dizendo que não vá ser bizarro-toda-vida por um tempo, mas acho que vai ser bizarro-toda-vida por um tempo só e não por toda vida de fato. Depois a gente se acostuma. Quero crer.
Bom, é isso.
Beijo nas crianças.

Ione
Eu fico pensando se eu sou bobinha de achar que um dia eles quererão falar comigo e serem amiguinhos de novo, ao menos virtuais, ao menos superficialmente amiguinhos como todos fomos um dia. Mas, tipo, eu não deveria me importar e, pra dizer a verdade, eu não ligo que eles não queiram mais ter nada a ver comigo, porque eles, pra mim, estão no passado, como eu também estou no passado pra eles, e isso faz muito sentido. Mas se há alguma coisa que eu gostaria de ter recebido era pelo menos uma resposta ao meu e-mail, porque, querendo ou não, todas as pessoas estiveram envolvidas na história. Que foi foda, no mau sentido por algum tempo, e depois deu chance de a vida se mostrar foda, no melhor sentido, logo em seguida. E acho que pra todo mundo.

Então a segunda verdadeira mensagem de natal é: perdoar é possível.

A outra é: o amãr é lindo, tão lindo, nada pode ser mais lindo, la la la la. Taí uma história que foi incrível pra todo mundo. Então eu acho que, nesse balanço de 2005, a primeira coisa que eu tenho que fazer é agradecer Dábliu, agradecer Ipsilone (e bom, Xis, não vou te agradecer, porque, né?, acho que nem tem razão para), mas, de um jeito bizarro e doloroso, deu tudo certo pra todo mundo e hoje eu só posso dizer que estou feliz - comigo, com a minha vida, com meu mocinho - e que eu desejo que vocês também estejam. Beijo nas crianças. De novo.

21.12.05

O que eu queria dizer é:

Não deixe que o patrimônio se confunda. Nunca. Porque o amãr pode acabar e te deixar somente a Nara Leão.

Mensagenzinha natalina

Eu estou levemente embriagada, resultado de um amigo secreto com os alunos e uma latinha de cerveja que estou bebendo desde às 10, quando cheguei em casa. Ouquei, tá quente, mas foda-se, gente embriagada não liga pra temperatura da cerveja. The least of my concerns regardind alcoholic beverages right now. Or concerning anything else in this world. Ever.

Anyway, como mensagem de Natal, gostaria de alertar todas as pessoas do mundo que ora se encontram unidas estavelmente, ou casadas, ou namorando realmente firme, de modo que confusão de patrimônio possa ocorrer.

Você não quer, veja bem: não quer!, trocar seus 4 cds do Belle e Sebastian porque ele tem os mesmos cds. Tipo, o amor é lindo, ouquei. Ele tem os mesmos 4 cds, ouquei também. Ouquei que eles foram uma super barganha na Neto Discos da Augusta (de que passo longe atualmente, porque aquela loja é do mal). Tudo isso é ouquei.

O que não é ouquei é que eles tenham sido trocados por uma porra de um cd da Nara Leão. Tipo, tá, o meu amigo me deu um cd da Nara Leão, certa feita, mas tipo, eu acreditei que ele seria um dos itens que entraria na tal confusão de patrimônio, de modos que eu nem precisaria escutar. Agora eu quero escutar meus 4 cds do Belle e Sebastian, e caraia, eles foram trocados pelo ser com que me havia unido estavelmente, por um da Nara Leão. Meu, vamos deixar clara uma coisa aqui. Eu não gosto de Nara Leão, ouquei? E você, como pessoa a quem eu me havia unido estavelmente deveria saber disso, caraia. Pourra. Putaquepariu. E ainda dizia que me amava. Trocou meus discos e me trocou. Rarrarrá. Quanto abuso.

20.12.05

Ai, pronto, achei, que emoção

Achei!.

Cadê meu CD da Bethânia?

Cadê o Maricotinha, pourra?!

Eu tô me sentindo muito pel* *ada

Sabe quando você esquece de passar perfume antes de sair de casa, ou de colocar brinco? Sabe aquela angústia muito profunda porque você se sente pel* *ada? E a pior quando esquece perfume e brincos? Eu tô assim. Alguém me salva da exposição de meu corpo nu porque eu não consigo acessar o msn faz meia hora. Meia hora! Morri. Pe* lada.

13.12.05

E, tipo,

eu me recuso a ouvir MEIO disco.

I know, I know

I *must* get a life. I know.

Sabe o que me irrita?

Quando você sai de casa e deixa o equivalente a um disco dos Strokes pra baixar no Soulseek e vem no caminho de casa pensando em como vai ser legal que quando você entre no quarto e ligue o monitor, perceba que o disco está todo no seu computador, novinho, pronto pra ser ouvido. Aí, quando você chega em casa e vai pro quarto e liga o monitor, percebe que o usuário está 0ffline e o disco não baixou inteiro. Isso me irrita. Ter metade de um disco. E estar esperando há horas pela outra metade dele. Irrita muito. É TPM, me deixa.

12.12.05

Best thing ever

Eu sei que eu já disse isso para o linque do Arnold, mãs:

WallJam7: roses are red
WallJam7: violets are blue
WallJam7: all of my base
WallJam7: are belong to you
Leia e compreenda.

8.12.05

Oh, and one more thing:

Scariest and funniest shit ever. Enjoy. Só posso adiantar que envolve Rio, o atual governador do estado da Califórnia no Rio e cenouras.

Update: Tava com um probleminha no link mas já arrumei.

Cousas

Uma. Acabei de matar o maior carrapato que eu já vi em todos os tempos. Tenho medo de pensar onde foi que ele conseguiu tanto sangue pra ficar, te juro, do tamanho da falange distal do meu dedo mindinho. Tá, um pouco menor que isso, mas só um pouco. Ouquei, tipo quase. Sabe daqueles cinzinha de vaca?

Duas vaquinhas na fazenda do meu pai e dos meus irmãos,
pra você imaginar os carrapatos chupando todo o sangue delas.

Então. Se eu não tivesse queimado o bicho com a ponta do cigarro - sofre, filadaputa (inseto não sente dor, raiva!) - e mandado descarga abaixo em seguida, juro que postava uma foto dele aqui. E não me pergunte como foi que ele conseguiu escalar o batente da porta com aquelas patinhas vermelhas nojentas, porque eu não tenho resposta para todos os mistérios da natureza. E nem é época de carrapatos. Porque é que nem fruta, né? Tem época.

Duas. Gente, é TPM.

Três. SkypeOut é a solução para meus problemas. Ouquei, tipo quase.

Quatro. São duas e meia da madrugada. Ouquei, também, tipo quase.

Cinco. Acabei de ver um filmeco na tevê, as sobrancelhas eram iguais as dele. Menos a parte de depilar embaixo (que eu acho uó). Então, ouquei, as sobrancelhas eram tipo, quase parecidas. Sofri sofrimêintos. Mas pequenos.

Seis. Alô, galera, bate a mão e bate o pé - tchá-tchá-tchá. Quer dançar? Quer dançar? O tigrão vai tinsinar (pequeno poutpourri da madrugada em minha vitrola mental). Quero fazer aulas de samba. Ou de dança do ventre. Pra alguma coisa ter pança tem que me valer nessa vida. Que seja pra chacoalhar com charme.

Sete. É TPM, gente, me deixa!

ó,

caguei que o John Lennon morreu há muitos anos. Couldn't care less.

7.12.05

Os links, trazidos para você por mim para sua diversão:

  1. As piores capas de discos do mundo todo. Tem até Menudo. Amei.
  2. Para brincar de adivinhar qual foi a palavra usada na busca do Google Images. Amei. Especialmente eu que adouro ficar procurando imagens toscas e aleatórias.
Juro que tinha mais mas agora não consigo lembrar.

29.11.05

I heart Jens Lekman

Eu não ligo que ele tenha cabelo dos anos 70 e faça poses muito gueis, que é tudo que você pode ver quando googla o nome dele. Tipo, tá, tem gente que acha muito massa esse cabelo anos 70. Eu, tipo, não, tá? Mas também, quem liga pro que eu gosto ou deixo de? Whatever. It's called small talk, people.

Ele mente muito bonitinho nas músicas que ele canta tão foufinho.

Então, Giu, nem vou atualizar

Porque não tenho nada pra contar desde que eu resolvi que não contava mais coisas íntimash e paRticularesh da minha vidam. Quem quer saber que eu emagrevi mil quilos, por favor? Ninguém.

Daí eu passei a tarde inteira apreciando o tédio, o aborrecimento, o tédio, a chuva, ouvindo Jens Lekman, que eu sei que vai casar comigom e vai me esperar at the vending machine. Pera que eu já dou pra você uma música. Preciso achar a coisa de linkar músicas no google.

Aí estou conversando sobre roupas com Macrau nesse momento. Sobre as roupas que nossos dinheiros não compram, essas coisas de pobre, tipo C&A e como a gente ãma tudo que não pode ter. E olhando coisas na internetem. Por exemplo, esse que fala de como as moças com tantos dinheiros no banco podem ser capazes de se vestirem tão mal, que chega eu fico feliz com as minhas roupas (e com o fato de eu não ser celebridade e não ser fotografada nesse momento, de modo que houvesse prova documental da molambice). Ou que ajuda você a superar o fato de você ter cravos no nariz, por exemplo, ou umas coisas murchas embaixo da bunda mole. Porque, meudeus, você pode ter dinheiro pra consertar a murchez da bunda, mas nada dá jeito nessas operações feitas pelas mãos do cramunhão.

22.11.05

Selinho

Amei esse selinho amigom, viu, Giu? Olhali o selinho de aulinhas, não é foufom?

18.11.05

16.11.05

P.S.


Essa sou eu com a armação nova, o cabelo super mega curto, quase o não cabelo, não cabelo esse que pintei de preto.

Eu descobri também

que eu tenho muita dificuldade em aceitar mudanças. Assim, né?, eu já sabia, de velho mesmo. Desde desde, desde sempre. Por isso que fico me debatendo entre ser uma pessoa de aeroporto e ser a pessoa exótica de aeroporto, como disse a Naty. Aceitaria eu as mudanças drásticas? Tenho capacidade de dar um passo arriscado rumo ao alto e avante, a felicidade muita, quiçá?, em terras nunca d'antes navegadas? Às vezes.

Era uma vez, um ano atrás, - jesuis, lembrei disso nesse exato momento e só foi por lembrar de como eu era baleia naqueles tempos não áureos nem... como é o adjetivo para quem quer dizer "de prata"?; na falta, direi púmbleos, que eu acho a palavra estranha e feia e eu gosto, às vezes do que é estranho e feio e quero apertar muito - um ano atrás, eu pesava muitos dez quilos a mais do que eu peso hoje.

A situação é muito grave, você não sabe. Se eu emagrecer mais uns 3 quilos, eu volto a ser a pessoa que eu era aos 18 anos. Tá percebendo como isso é grave? Porque meu cabelo está mais curto e preto (depois ponho uma fota) e eu também mudei a armação dos óculos e fiquei um pouco mais cegueta também, e fiz um pouco mais de sexo, o que não foi muito difícil de acontecer considerando que aos 18 é que eu entreguei minha florzinha ao mocinho de quem eu gostava e que disse que ele nem queria mais minha florzinha porque eu era um bibelô de cristal (e eu ainda continuei amando essa pessoa por muitos anos - rá!) que ele tinha medo de quebrar. E ele disse isso num ônibus. Quando faltavam ainda muitas longas infinitas horas pra eu chegar em casa e eu engoli o choro pra não fazer papel na frente dele. Eu mudei de casa algumas vezes e ganhei a Cuca e mudei de emprego algumas vezes também. Mas se eu emagrecer uns 3 quilos, eu serei a pessoa que eu era aos 18, penso. Eu sou uma adolescente presa num corpo de uma pessoa de 28 (jesuis, quase 29).

Aí eu tenho essas calças. Eu não tenho dinheiro pra comprar calças novas, mas fiz um esforço (meu pai também fez, se é que me entende) e aí eu comprei dois pares novos de calças e as outras ficaram largas e fica aquela bundinha estranha, sabe como é?, de quem não tem com que preencher as convexidades todas. E já faz um ano isso - o que eu tinha lembrado era do pé que eu levei: ó, foi bom, confia em mim. Que as calças caem e a calcinha fica meio de fora parecendo que é de gola alta. E eu ainda não mandei apertar as calças porque, além de eu achar que é feio fazer pence, eu fiquei pensando: e se eu engordar? Eu nasci pra ser gordinha, nem sei porque eu tô assim meio magra. É muito estranho ser assim magra porque ser magra é coisa de adolescente (rá, o despeito!). Daí eu acordei e fui trabalhar e as calças caíam e eu coloquei uma camiseta meio comprida pra tapar a calcinha que ficava de fora e pensei tudo isso enquanto tomava um café e fumava um cigarrito (juro que vou parar até o ano que vem: juro).

11.11.05

Strength

21 de fevereiro de 2003, sexta-feira

Para dar fim a essa semana e voltar a me preocupar com coisas importantes, como comprar um biquini, pedir ao Diogo a mochilona dele emprestada e pensar em que sabor de milkshake pedirei hoje no Joakin's e como esse milkshake colocará no chão todo um esforço de meses e como amanhã eu vou a um aniversário e se estará sol, falarei pouco. Não, eu não falarei pouco, mas achei bonito fazer que vocês acreditassem na primeira mentira do meu dia. Antecipadamente, peço desculpa pela breguice que me invadiu. Às vezes, é inevitável ser ridícula, mesmo que não seja quando se escrevem cartas de amor.
Fato é que, muitas vezes, saímos por aí falando feito loucos, sem que tenhamos nos dado o tempo suficiente para pensar sobre o que é mesmo que estamos sentindo e pensando. Constantemente eu penso naquele provérbio que diz (minha memória pode me enganar muito, vocês sabem quantos anos eu tenho?) que a palavra lançada não volta atrás. Às vezes desejamos que a palavra que lançamos (ou a que nos foi lançada), seguisse os conselhos de Zenão, e de metade em metade do percurso, não chegasse nunca ao seu destino.
Mas pronto, é inevitável. Ela chega aonde se pretendia que chegasse, não há escapatória possível. A partir daí, é um mundo de reações e equívocos, ou ainda, os equívocos já começaram quando se pretendeu dizer algo a alguém.
Se comunicação não é só palavra, os equívocos multiplicam-se porque, havendo palavras que deveriam bastar para designar tudo e tornar o entendimento possível, mas que ao fim e ao cabo, não cumprem o papel de maneira fiel, não se pode esperar que compreendamos melhor os gestos. E todos sabemos como os gestos são coisinhas tão espertinhas e que pregam peças, não é à toa que em todo filme americano de amor, tem alguém que diz que recebeu "mixed signals". E reagimos a uns (gestos) e a outros (palavras) e os equívocos voltam a nascer, multiplicam-se feito uns gremlins: bastou chuviscar um pouco de comunicação, pronto. É pior que praga de ratos na Nova Zelândia ou de gafanhotos no Egito.
Ao mesmo tempo que reagir impede a análise, se ao contrário, nós nos debruçássemos sobre tudo o que nos foi dito (sob qualquer forma), aonde é que isso nos leva? Porque quanto mais se pensa, menos coragem se tem. Parece que pensar e encorajar são essas duas grandezas que crescem em desigual proporção. Quanto mais tempo se leva matutando, mais a espontaneidade se esconde -- o que às vezes é bom, às vezes é muito ruim -- mais obstáculos colocamos, escoramo-nos em nossos cuidados e nossos cuidados são os maiores obstáculos.
Quando o seu chefe lhe diz que você é um zero à esquerda, melhor é internalizar e esquecer a reação. Ninguém gosta de subordinados que metem a mão na cara de seus superiores, pra deixar marca de dedo naquela bochecha e fazer ressoar um estalo bem alto pelos corredores do escritório. Quando alguém diz: gosto de você, responda imediatamente. Freqüentemente, perdemos a coragem de querer dizer que gostamos, como se no próximo segundo o gostar do outro se fosse esvair e ele não compreendesse mais sobre o que mesmo estamos falando.
Eu queria fazer dessa mensagem um chamamento à coragem. Tomara mesmo não existam palavras vazias.
Bom fim de semana.
"(...) parte do barro com que modelam agora uma figura provém de outra que tiveram de desprezar e amassar, assim é com todas as coisas deste mundo, as próprias palavras, que não são coisas, que só as designam o melhor que podem, e designando as modelam, mesmo se exemplarmente serviram, supondo que tal pôde suceder em alguma ocasião, são milhões de vezes usadas e atiradas fora outras tantas, e depois nós, humildes, de rabo entre as pernas, como o cão Achado quando a vergonha o encolhe, temos de ir buscá-las novamente, barro pisado que também elas são, amassado e mastigado, deglutido e restituído, o eterno retorno existe mesmo, sim senhor, mas não é esse, é este." pp. 156-157
"Penso que as palavras só nasceram para poderem jogar umas com as outras, que não sabem mesmo fazer outra coisa, e que, ao contrário do que se diz, não existem palavras vazias." p. 204
"O oleiro não acompanhou desta vez o tom jovial da filha, antes falou sério e sereno como se estivesse a recolher uma a uma as palavras que tinham ficado lá atrás, no lugar em que haviam sido pensadas e deixadas a madurar, não, essas palavras não foram pensadas, nem tinham de amadurecer, emergiram naquele momento do seu espírito como raízes que tivessem subido subitamente à superfície do chão,(...)" p. 168
SARAMAGO, José. A caverna, São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

10.11.05

Pessoas em aeroportos

Não eu, nem você, nem aquele em que você deve estar pensando, definitivamente ninguém em Love Actually. As pessoas comuns, em filas, as que servem lanchinhos e trabalham seus trabalhos de aeroportuários e, generalizando, - essas pessoas de aeroportos só são "de aeroporto" porque foi lá que toda uma série de pensamentos e reflexões começou. E nem fui eu que comecei com isso. Emprestei a idéia. E isso que Paul escreveu aqui, mais ou menos descreve como é uma pessoa de aeroporto.
"Richard was still Richard, the selfsame Richard of yore - but better, somehow, more comfortable in his own skin. He's gotten himself married and has two little girls. Maybe that's helped. Maybe being eight years older has helped, I don't know. He's still grinding away at one of those sad-sack jobs of his - computer parts salesman, efficiency consultant, I forget what it was - and he still spends every evening in front of the television set. Football games, sitcoms, cop shows, nature specials - he loves everything about television. But he never reads, never votes, never even bothers to pretend to have an opinion about what's going on in the world. He's known me for sixteen years, and in all that time he hasn't once taken the trouble to open one of my books. I don't mind, of course, but I mention it in order to show how lazy he is, how thoroughly lacking in curiosity. And yet I enjoyed being with him the other night. I enjoyed listening to him talk about his favorite TV programs, about his wife and two daughters, about his ever-improving tennis game, about the advantages of living in Florida over New Jersey. Better climate, you understand. No more snowstorms and icy winters; summer every day of the year. So ordinary, children, so fucking complacent, and yet - how shall I put it? - utterly at peace with himself, so contented with his life that I almost envied him for it."
Paul Auster. Oracle Night, Picador, p. 31-32.
Eu não quero ser uma pessoa de aeroporto. Mas confesso que é foda.

4.11.05

Prestenção

Você, pessoa que faz resoluções de começo de ano, devo avisá-lo(a) de que o fim do ano está chegando. Eu tenho certeza de que, entre suas resoluções, pelo menos uma das alternativas abaixo estava na sua lista:
1. emagrecer e se tornar, assim, uma pessoa mais querível, sexualmente falando (embora você saiba que isso é muito shallow da parte da pessoa que fosse/vai se interessar por você);
1.1. ir pra academia fazer malhação - aí você foi uma semana e decidiu que o dinheiro pra cerveja/cinema/outras coisas era mais importante;
2. largar algum vício - cigarro? chocolate? séquiço compulsivo?
3. arrumar uma pessoa linda que te queira bem (e não como aquele pateta ou aquela, ãm, vaca que você namorava antes - rarrarrarrá); ou
4. aprender a falar inglês ou melhorar o seu inglês.
Captou? Sim? Seus problemas acabaram! Novembro chegou, o ano está quase no fim, mas a esperança!, ó, a esperança no seu coração!

Você ainda não começou as aulas de inglês, mas eu (EU!) estou aqui para ajudar. Porque eu sou uma professora de inglês. A dos seus sonhos. A que abrirá as portas da comunicação na língua saxã para você. Para saber sobre minha formação, experiência, método, etc., você manda um e-mail para ione.moraes[at]gmail.com, okay? Ah, sim, necessário dizer que moro na capital do estado de São Paulo. Mas distância não é realmente um problema - para que pessoas bonitas e inteligentes inventaram Google Talk, ou Skype ou MSN? Rá!

E se você é meu amiguinho blogueiro, por favor faça propaganda de mim. wink wink.

Adulthood

This is SO me. Sendo que faz uns anos já que eu virei adulta e ainda não me sinto uma. É normal? Tem cura? Acho que não. Fodeu.

Oquei, sem chorar, tá, criançada? Engole o choro.

3.11.05

Vamos brincar

[12:10:19] Ioney: do que a gente vai brincar?
[12:11:02] Giu - ai, ai: ai, num sei.
[12:11:02] Giu - ai, ai: de mímica?
[12:11:09] Ioney: isso!
[12:11:16] Ioney: por msn deve dar super certo
[12:11:23] Ioney: estou fazendo um gesto com as mãos.
[12:11:26] Ioney: tipo assim
[12:11:54] Ioney: o polegar direito levantado. e os outros dedos dobrados sobre a palma da mão. e a unha do polegar está voltada pra mim.
[12:12:40] Giu - ai, ai: arma!
[12:12:40] Giu - ai, ai: tiro!
[12:12:50] Giu - ai, ai: bang bang
[12:13:00] Giu - ai, ai: sua foto está ótema
[12:13:00] Giu - ai, ai: hahahahhaa
[12:13:00] Ioney: não
[12:13:03] Ioney: o polegar tá pra cima!
[12:13:18] Ioney: e não é o indicador que está separado dos outros dedos.
[12:15:06] Ioney: cara, você é muito ruim de mímica!
[12:15:07] Giu - ai, ai: hahahaha
[12:15:07] Giu - ai, ai: vc tá me mostrando o dedo do meio?
[12:15:17] Giu - ai, ai: gente, eu sou MUITO burra
[12:15:30] Ioney: o polegar está pra cima, separado dos outros dedos que estão dobrados sobre a palma da mão.
[12:15:30] Giu - ai, ai: vc está falando de VOCÊ
[12:15:30] Giu - ai, ai: EU
[12:15:40] Giu - ai, ai: HAHAHAHAHHAA
[12:15:45] Giu - ai, ai: eu?
[12:16:00] Ioney: da minha mão, troncha!
[12:16:02] Ioney: ha ha ha ha ha ha
[12:17:24] Giu - ai, ai: hahahahaha
[12:17:24] Giu - ai, ai: estúpidaaaaaaaaaaaa
[12:17:36] Ioney: Giu, isso dava um post
[12:19:26] Giu - ai, ai: hahahahhaha
[12:19:26] Giu - ai, ai: ok.
[12:19:26] Giu - ai, ai: e eu me queimo pro resto da vida.
[12:19:47] Giu - ai, ai: gente, eu realmente nao entendi. vou ler mais uma vez.
[12:19:49] Ioney: tudo bem.
[12:20:01] Ioney: esconderei do mundo a sua suckiness em mímica por MSN
[12:20:17] Giu - ai, ai: hahahhahahahahhahahaha

Make a wish - part II

Make a wish - part II


Clique na imagem pra ver maior, mkay?

Make a wish - part I

Make a wish - part I


Clique na imagem pra ver maior, mkay?

Up we go!

Up we go!

Clique na imagem pra ver maior, mkay?

2.11.05

O vício do momento

olhar fotos aleatórias de pessoas desconhecidas que pessoas desconhecidas postam em seus diarinhos internéticos.

Atente para o fato de que nunca se sabe se vai sair foto de um gato fofo, de comida estragada, de um pinto feio ou o quê. Tenha cuidado.

De uma cartinha velha

N., não é triste perceber como as pessoas passam? Quer dizer, sendo assim fonte de sofrimento, melhor que passem mesmo. Mas não é triste? Como é que pode alguém ser muito importante no momento e no outro não ter mais nenhuma importância. Digo isso assim por perceber o passamento do G. Não que ele não seja importante, mas acho que é preciso um contato maior pra haver outra coisa ali. De certo modo, a viagem foi legal. Falei tantas coisas que eu achava dele sobre ele e ele ficou lá todo surpreendido porque, puxa, eu nem passei tanto tempo na minha vida na companhia daquela pessoa. Mas ele entendeu e foi legal. E ele disse que vai abrir as portinhas pra mim.

-fev.05

31.10.05

Mais sobre o amãr

.

Adouro esse cara. Muito.

30.10.05

Eu sei. Eu sou muito desocupada.

Primeiro você olha esse desenho.



And I mean it. Tem que ver o desenho, ouquei? Promise?

Olhou? Não? Tô esperando.
.
.
.
.
.
.
.

Pronto?

Agora olha isso:



Eu que fiz. Pode rir. It's okay to laugh.

Força, Atum! Vai com tudo, Atum!


Telinha, vai dar tudo certo.

28.10.05

What love is

(...), it is impossible for me to look back on those days without feeling a surge of nostalgia for my friends. In some sense, it alters the reality of what I experienced. I had jumped off the edge of a cliff, and then, just as I was about to hit bottom, an extraordinary event took place: I learned that there were people who loved me. To be loved like that makes all the difference. It does not lessen the terror of the fall, but it gives a new perspective on what that terror means. I had jumped off the edge, and then, at the very last moment, something reached out and caught me in midair. That somehting is what I define as love. It is the one thing that can stop a man from falling, the one thing powerful enough to negate the laws of gravity.
Paul Auster, Moon Palace, Faber and Faber, p. 49

O que é o amãr?, por mim mesma, no diafragma.


27.10.05

Ooooonnn


IMG_31871, originally uploaded by Ione.

25.10.05

I just wanted to say:

23.10.05

:)


IMG_30271, originally uploaded by Ione.

Asseio


IMG_29911, originally uploaded by Ione.

21.10.05

Pra começar, uma fota

Oquei, sem fota. Porque o soulseek não tá deixando.

Cara, me responde. O que está acontecendo comigo? Tantas coisas mudaram em minha vida - uma delas não sendo o meu estado civil, que desconfio não mudará nunca-nessa-vida, o que me fará ser o eterno motivo de chacota na família. Tipo. Meus primos filhos da minha tia que é irmã gêmea da minha mãe. TODOS casando. E tipo, ela tem vários filhos, cujos nomes não me lembro agora. Rá. Mas voltando. Por quê? Por quê? E, mais importante, por que eu sou tão patética a ponto de contar isso aqui? Aí minha tia tá sofrendo porque todo mundo de repente vai morar em outro lugar. Mas eu tranqüilizei minha mãe e disse a ela que eu nunca vou fazer isso com ela. Not a fucking chance, mom. You're stuck with me.

Ouquei. A parte da banha, que tá muito melhorada, mas nada assim, ui, que milagre, as bundas nem balançam mais, um ou dois anos se passaram e tá tudo mais ou menos igual. Bem mais ou menos se for pensar. Ouquei. Tá tudo diferente. Por exemplo. Olha ali o audoscrobbler, quando, in a gazillion years, eu ia ouvir essas músicas, me diz? Tão etivativa com as coisas novas, toda uma bad trip de competição porque o meu gosto e o seu gosto e ómeudeus, minha individualidade tão ferida nesse momento em que você me pede pra ouvir Cat Power. Sefudê, né? Pra quê? Eu mudei o tamanho das roupas, algumas de quando eu era magra tão até meio grandes, o que é foda, porque eu continuo pobre de marré e é difícil eu comprar roupas novas. Aí as pessoas pensam que eu tô na vanguarda da moda, lançando o bum look, quando na verdade. Eu mudei de casa, a Cuca engordou, eu conheci pessoas bonitas, cujas bundas eu gosto de apertar em locais públicos, mas que não posso apertar nem em público nem em privado porque.


Será que rola uma fota agora? Tentemos.



Cachorra fofa. Enfim. O que eu estava dizendo mesmo? Tô enchendo a cara de sorvete. Passas ao rum. Que é sabor de adulto, ao contrário de pavê de chocolate. Muito infantil. Rá. Eu continuo querendo ter peitos simétricos, é pedir muito? É?


A verdade é uma só. Eu tô com o saco cheio e não tenho nada pra dizer.

17.10.05

The twilight zone feeling

Assim, ó. Li Oracle Night, tinha o casamento da minha prima pra ir mas eu não quis, porque eu sou anti-social e porque eu estava doente. Então eu disse pra todo mundo que eu estava doente e pronto. Aluguei três filmes pra ver enquanto comia pipoca:

1. Mozart and the whale
2. Tiptoes
3. We don't live here anymore

e coroar tudo com bombonzinhos de sorvete. E eu achei que ia ser a noite perfeita. Mas não foi. Tinha tudo pra ser, mas não. O tempo (aquela chuva quase por cair), os cheiros, o ritmo da noite, a Cuca deitada do meu lado, o silêncio, a falta de haver com quem falar (liguei o computador e não tinha ninguém online), tudo, tudo parecia uma das noites em que eu sofria sofrimentos intensos. Só não estava triste pelos mesmos motivos. Mas tinha um certo desconforto, um tal sentimento de 'meu deus, não pertenço'. Um banzo. Era tudo tão parecido que parecia um episódio de Twilight Zone, parecia que eu tinha voltado no tempo.

Aí hoje eu comecei a conversar com pessoas no MSN e comecei a chorar. Twilight zone feeling that I can't shake. Tão totalmente estranho. Tão absolutamente estranho. Aí eu saí e comprei cigarros. Veja bem, talvez tenha sido melhor. Porque isso ia se tornar um relato de uma pessoa que deixou de fumar.

(eu só adiei pra amanhã, só isso)

Mentalizando decumforça:

- copos d'água
- balinhas tictac de caixinha azul
- chiclete?
- dormir pra esquecer a dor de não poder nunca mais?
- AAAIIIIIIIII.

Só 24 horas.

Não se esqueça de me dar palito e um cigarro de espantar mosquito

Hoje, às 7 da manhã, parei de fumar. Fiquei acordada até tarde ontem, fumando os últimos cigarros, tentando me enfarar deles. Ajudou que eu esteja doente e que o paladar estivesse estragado, porque eles estavam com gosto de, sei lá, plástico queimando. Urgui. Mas foram tantos momentos bons, tantos momentos bonitos, esperas em aeroportos, noites que eu passava estudando antes de vestibular, o pós-séquiço tipo filme francês (já viu filme francês com gente que não fuma depois do séquiço?). É duro. É muito duro. Meu companheirinho de todas as horas. Agora eu totalmente compreendo como é terrível esse negócio de pensar: "pelo resto da minha vida, não poderei", não poderei, gen-tê! Você tá me entendendo? RES.TO.DA.VI.DA. Porque é beijar um cigarro e já era. Já era.

Nunca mais. Só por 24 horas.

9.10.05

20 anos

- Júlia, tem algum menino de que você goste?
- Tem, tia.
- Ele gosta de você?
- Gosta.
- Então vocês namoram?
- Não. A gente nem se fala muito.
- Ué, por quê?
- Porque ele senta lááááááááá do outro lado da sala.

Tia Ione, lendo a sorte de Júlia: Prevejo que, em 20 anos, ela vai descobrir que essa distância não é absolutamente instranponível.

6.10.05

Você pensa que ontem foi um dia ruim porque, taquepariu, num dá pra você se sentir mais cansada do mundo, das coisas do mundo, do eterno drilling de

Ai ém a nãrs. Ri iz a dóctãr (porque ninguém nesse mundo contrai verbo, deus padroeiro dos dummies?). Xi iz a fãquin dóctãr, iu butthead. [pausa para inspiiiiiiirar e expiiiiiiiiirar e não cobrir as pessoas todas de porrada - sempre rindo, sempre, rindo! Bozo, Bozo! Você é uma inspiração nessas horas]

Mas tá. As pessoas são de facto boazinhas. E aí você se lembra que elas são tão cheias de bons sentimentos, demonstrados através da oferta de mimos tão lin-dôs, como você pode observar por essa amostra. Só pra constar: estou sendo irônica. Meu coração é peludo. Muito peludo.

Aí você acorda no dia seguinte, chega em casa às quinze pras 9, não porque não tenha dormido em sua própria cama por razões ótemas, tais como:

(a) ter ido a uma slumber party de gente adulta e que é amiga sua e ficar assistindo Sex and the City e pensando: jesuis! jesuis! eu sou uma dessas moças na televisão!; ou

(b) ter enchido a cara e ter que crash on a friend's couch; ou

(c) ter passada a noite fazendo cousas outras com o seu mocinho porque o mocinho mora longe, bem longe, não queira saber o quão longe ele mora, não queira, porque chega que deprime.

Você chega em casa a essa hora da manhã porque você foi ali trabalhar e já voltou. Aí assisti ao Seabiscuit, pensa em quão tuda Tobey é, o cavalinho se fode, o cavalinho se recupera, Tobey se fode muito, Tobey se ergue talequá fênix e eles ganham a corrida! Weeeeeeeeee! E Tobey diz: nada é impossível, nós já provamos isso. E aí você chora igual uma songa. E você pensa: songa, songa!, chorando por causa duma pourra de filme ruim desse?

Ãin. Voltando. O mocinho mora longe. Você está com tpm. Não tem ninguém em casa, você tá comendo a mesma comida desde segunda, quando sua mãe foi viajar, não tem colo de mãe, portanto, Cuca não sabe dar colo mas veio ver o que estava acontecendo comiga quando eu comecei a chorar e soluçar em frente ao computador, horas depois de ter visto Seabiscuit, pensando assim: jesuis, vai morar assim longe na quepariu. Jesuis. Como eu queria estar lá agora. E ele diz: eu queria que você estivesse aqui agora. Porque eu vou pra Vegas e vai ser um saco e a gente podia ir passear e olhar as pessoas estúpidas todas e fazer comentários maldosos sobre elas e divagar sobre o verdadeiro sentido da vida olhando para o fundo de um copo de cerveja.

Chora, songa. Ãin. Saudade mata a gente, menina, saudade mata a gente.

5.10.05

Cara, eu sou muito perturbada mesmo

MM: Daí teve esse uma vez que uma menina tentou, ãm, transar comigo no meu carro.
Ione: Sim, sim, claro, compreendo.
MM: Mas não deu certo. Era muito apertado. E... bom. Não deu certo.
Ione: Não quero mais saber. Tô sentindo ciúme retroativo.
MM: Injustiça. Você me conta aí dos moços outros, e.
Ione: Eu SINTO CIÚME RETROATIVO! Eu SINTO CIÚME RETROATIVO! Eu SINTO CIÚME RETROATIVO!
MM: ...

Isso porque nem deu certo. Não chegaram às vias de fato. Mas e toda a agarração? E, ãm, os beijos? E mãos e. Ãin.

Ciúme retroativo.

Mito ou verdade?


Cara, alguém quer me contratar pra escrever numa revista feminina?

4.10.05

Convoco você, mulheRRRRR, a colaborar na pesquisa de cunho científico que conduzo não aqui,

Mas lá no diafragma, sobre comportamento feminino relativo à siririca.

Obrigada.

3.10.05

Diante das grandes questãs das vida,

essas em que somos forçadas a tomar decisões estrãnhas ao nosso mundo onde tudo é racional e tem lugares próprios, tipo gavetinhas asseadas (se você pudesse dar uma olhada no estado em que meu quarto - meu reino - se encontra agora!), eu tenho a dizer isso tudo. Veja se concorda comiga.

30.9.05

I heart Cuca


A grande questã que se coloca é:

Peço méqui e tomo banho ou tomo banho e peço méqui?

Adoro sextas.

28.9.05

Ui, ui

Minha sobrinha Gabi, uma menina muito foufa (mas que me dá muito desgosto quando escreve desse jeitinho internético, mandou esse joguinho bacana. Coisa assim de 'se brincar com o ratão, não beba, e se beber, é melhor não brincar com o ratão'.

Juras

Artur, juro que te adoro. E mais, juro que eu realmente estava dormindo. No sábado. À tarde.

I HEART my inbox

hi good morning baby just wake up take my breakfast i will cal my driver to pick up and to take me to the factory to spend some time othere whise its booring to stay all day in the hotel really you shok me that such a clever girl like you fuel of power and energie spend most of here time doing nothing hi ihi hi hi hi come up you can do a lot wake up you still young try to create something never mind i am to open guy i can suport you with any good idea just i dont know nothing here about country i have free time a lots even i start to be booring here i was thinking to go back to canada last 2 days for me its hurd to stay spend my time without mouving and create something i wish you can understand frensh language i can explain to you better but i will try to handelle in english its ok any how we will talk more about it when you have time i hope you know i like the country they are lot to do here but language its important i will see if will be ok i will try to stay longer othere whise its no need to spend my time here i dont like to disturbe you a lot hope to have nice day today i will be in thehotel at 4 pm lets be in touch when you are free kisses tiozinho com quem conversei no bar

I heart my inbox

nice to meet you

iam amature musician

37years old

i like the third music

i quit smoking and coffee

my email is XOXOXO@XOXOXO.com

Juro que respondi.

22.9.05

Ãin

Eu ia falar do raipe do teste que descobre

quem é o diretor que filmaria a sua vida, mas daí eu descobri que todo mundo ia ter o filme da sua própria vida filmado pela Sofia Coppola e desisti, porque eu não quero ser igual a todo mundo e, bom, eu faço questã de não ser igual porque daí eu tenho uma desculpa pras vicissitudes da vida, tipo, coitada, ela é tão estrãnha, ninguém tem amãr por ela, claro, tão nerd, tão quétleidi, só podia.

19.9.05

Diafragma

Um bando de mulé escrevendo aqui, eu incluída. Diz que mulé menstrua tudo junto quando se apinha num mesmo lugar e rola uma convivência, né? Vamos ver.

18.9.05

Que aquele cachorrinho tenha um patuá,

porque se ele não tiver, o cachorrinho malvado que mordeu a Cuca e rasgou a orelhinha dela, o pinto dele vai secar e cair. Porque minha praga pega, tá? Vou avisando. Tadinha da Cuca. Só queria fazer amigos. Chegou toda contentinha, pronta pra cheirar o behind do cachorrinho que logo não terá mais um pinto e ele lascou uma mordida na orelha da Cuca. Na hora, eu não vi, só fui ver no carro - porque, dupla chique que somos, fomos Cuca e eu, amiga Cris e sua respectiva cã tomar um café no Suplicy. Assim, tomamos o café e fomos sentar num banquinho e conversar sobre aeroportos e cafés e congêneres e resolvemos dar uma voltinha no quarteirão, pras cachorrinhas poderem fazer amigos e aí, aí, o cachorrinho que logo não terá mais pinto maldosamente mordeu a Cuca, sem que ela pudesse se defender, porque, como você pode ver na foto ao lado, Cuca não tem um focinho e porque ele foi traiçoeiro e nem rosnou antes como um aviso, do mesmo modo que os moços fazem com as moças, mais ou menos. Você acha que está tudo bem, tudo feliz e de repente, você oferece um cachorro quente e ele diz que não, obrigado, que ele não gosta - não do cachorro quente - mas de você. É de se rir. Uma coisa assim muito Seinfeld. E, bem, embora essa coisa do cachorro quente tenha sido verdade, não se verifica, em minha vida, no momento atual, uma problemática tal que me faça desejar a queda do pinto de nenhum moço. Aliás, nem desejei que o pinto desse um moço em particular caísse também. Embora tenha havido uma época em que eu pensava que ia precisar de muita água sanitária praquilo. Mas aí não foi preciso. Blã. Não vou entrar nessa história que descarece muito. Vamos pensar no amãããããããr, nas margaridinhas brancas e nas brabuletinhas, em vez de pensar no desamor que já foi, passou, nem doeu tanto assim - ui. E vamos fazer uma corrente de energia pela queda do pinto do cachorro malvado que morreu a Cuca.

Heart

Uma coisa pra se ver e se sentir.
Dave Cutler - Tangled love
http://www.davecutlerstudio.com

Uma outra coisa pra se ver e ler.

11.9.05

Lots and lots of ladybugs

If any aliens find this: we are from earth and this is what we wanted you to know.

E assim, né? Under the Tuscan sun é feito pra você chorar. Aí você chora, aí você se sente besta, mesmo sabendo que é impossível não chorar porque o filme é feito pra você chorar - as pessoas infelizes, depois as pessoas felizes, aí infelizes de novo e felizes novamente. É muita emoção pra pouco tempo de filme. Sendo que você chora vendo Armageddon em seguida. E dizendo: Por quêêêêêêêêêêêêêê?, meudeus, morre o Bruce Willis, sendo que ele é tão lindo mesmo com aquele cabelinho oxigenado? Por quêêêêêêêêêêêê, meudeus, ter que escolher entre salvar Ben Affleck e Bruce Willis? Por que a vida é tão cheia de escolhas tão difíceis? O quão injusto é tudo isso?

Aí você não conta pra ele que você chorou, e só diz que o filme da Toscana é bem bobinho (nem chega a mencionar Armageddon, porque é motivo para cortar relações pra sempre), porque ele não pode saber o quão bobinha você é - embora ele já saiba, lógico. Aliás, você mal consegue falar no telefone com ele, pensar em outra língua, é tudo muito difícil, você vai ali e acende um cigarro e fica sentindo palpitações e falando coisas absolutamente desconexas, talequá uma tongolina. E depois você resolve que o mundo precisa saber das joaninhas. E você escreve no blog. E é domingo e tem bolinho de chuva.

http://www.youdonthavetokiss.com - A Cris sempre acha a melhores cousas.

9.9.05

Não é lenda, eu asseguro

Esse negócio de receber recadinho do orkut dizendo que tem gente com crush em você funciona de verdade.

Hi Ione,

You and Foufinho da Estrela each have a crush on each other!

To see Foufinhos's profile click:
tadah, aqui ia ter um link
Take a deep breath and ponder this...
orkut has unmasked a shared affection
And shown twinned wounds from Cupid's darts.
But while we aid in love's detection,
Its future path lies twixt your hearts.
 Todo mundo junto agora: oooooooooooooooon.

Eu queria saber escrever coisinhas bonitas

Os poemas vêm e voltam. As pessoas, elas às vezes vêm, às vezes vão e, - perdoem a absoluta e inconteste desimaginação do trocadilho, bem pobre - elas também às vezes vêem e às vezes não. Quando a gente vê, nem sempre é o que a gente queria, dá vontade de quarto escuro. Pra usar manoelismo, é preciso lesmar pra ficar à vontade com as coisas da vida de novo. Pra gente se acostumar com luz. Luz é bom, luz é bonito. Pode ser de abajour, de sol, de lâmpada, até de monitor de computador, ou de lampião, de clarividência, lanterna, só não pode ser luz de hospital e prefiro que eu não enxergue um túnel e que a luz no fim dele me chame e aí, você sabe. Luz não é triste nem quando os bichos (de luz) vêm pra dentro de casa. Melhor que seja de vagalume - porque luz que pisca é bom pra gente sempre lembrar que às vezes é luz, às vezes é preto mesmo, e que isso é ser feliz. Luz. Preto. Luz. Preto. Bem-me-quer. Preto. Luz. Mal-me-quer. Luz. Mal-me-quer. Bem-me-quer, mal-me-quer, bem-me-quer. Eu acho as margaridinhas brancas florezinhas muito faceiras.

8.9.05

Porque nunca é demais

7.9.05

Pé de pato, etc.

6.9.05

Unhinha do dedinho

Agora entendo os cobradores do Brasil. Catucar a orelha com a unhinha do mindinho é a coisa mais dilicinha-nojenta que já experimentei na vida. Fiz ontem e foi uma experiência sensacional. Nunca mais corto essa unha, modeus. Além de economizar nos cotonetes.

3.9.05

Eu tenho 16 anos e preciso me afirmar escrevendo meu nome mil vezes num pedaço de papel

(ou no blog, no caso)

Achei na Paula, que achou em algum outro lugar.

IBlue ONE

As pessoas não chupam meu caroço, eu posso garantir

Mas chupam os caroços da Neísa, a pantera. Oiça e dance no quarto. E eu estava falando da música A jaboticaba.

25.8.05

Jogue, jogue, jogue

mancala. Tá, a página fala outro nome mas é a mesma coisa. É um jogo originalmente africano que tem um milhão de variações, mas não se importe. Divirta-se. Só consigo ganhar do computador se jogar no nível totally and completely dummy. Outro joguinho de que eu gosto é Fox and Geese. A vantagem de se jogar contra o computador é que, se você for competitiva(0) como eu, não vai querer socar o computador, porque custa caro, enquanto que, na vida real, você vai chorar no banheiro bufando e sentindo raiva de si porque você é tão burra(o) - perceba que eu não faço tudo isso: a parte de chorar no banheiro não é verdadeira.

O legal desses joguinhos é que dá pra fazer versões em casa, bem baratinho. Aqui, você encontra as regras para se jogar Fox and Geese e acolá, as regras pra se jogar mancala. Ou, se você estiver a fim de gastar uma graninha e comprar os jogos mais lindos e mais bacanas desse mundo, tomar um café e passar a tarde jogando lá na loja, pode ir à Origem. Os jogos têm nomes diferentes, mas estão lá. Por exemplo, o jogo da raposa e dos gansos, tem um tabuleiro um pouco diferente, mas em vez de raposa, é da onça. Bacanérrimo.

Pronto, acabou o momento cultural e a gente pode voltar às nossas vidas de sempre, em que falamos de assuntos tão intrigantes como xampus, sabões, batatas fritas e pessoas estranhas.

24.8.05

Olá, eu sou o superego da Ione

e não deixo que ela tenha soft porn dreams - repare que são soft porn, nada de ver de perto as coisas uns dos outros, certo? -, só sonhos com beijo na boca. É triste, minha gente. Sou reprimida até no sonho.

Seus pais experimentam o coito

e o espermatozóide vai lá e corre muito e tchãn no óvulo e aí 9 meses depois você nasce, depois cresce, não gosta de batatas fritas nem de carne e sua mãe acha que você não vai vingar por falta de proteína e faz aulas de ballet, começa a usar óculos aos 7 anos de idade, por exemplo, aprende a ler, pinta com os dedos, vai pra escola, fica na escola por muitos anos, vira advogada, desvira, começa a dar aulas, etc., e de repente você se vê uma criatura de 28 anos cujo pensamento obsessivo é:

E se ele me achar feia-chata-boba?


Onde foi que meus pais erraram, meudeus?

22.8.05

Eu me divirto com as pessoas (parte II)

Como eu não consigo não responder e-mails, eu mandei essa resposta ao mocinho (ou não - note que ele não mencionou a idade dele, que talvez não seja perfeita):
Before I answer your questions, I need to know two things.

1. Are you pro or against death penalty, Paul?
2. Which of the movies listed below is your favorite and why?
a) Pretty woman
b) Love story
c) Romeo and Juliet
d) Sweet November
e) Jersey Girl.

Now, don't lie.
Ione
Mas a verdade é que eu queria ter respondido assim:
I'm not into sports too much but I am a poet. Would you please give me a chance?

Here's a poem I wrote:

Prince I love
hidden in the mists of love
come for me and save my soul
close your eyes and I'll be there
let us dance till dawn
A-B-C, 1-2-3,
kiss me warmly and lsakdjlakdjlaskjd kjAUGH

Love,
Ione

As pessoas me divertem muito (parte I)

Aí, né, que eu tenho um perfil nesse sítio através do qual as pessoas resolvem se tornar melhores amigas/amantes/por favor traga um café da manhã pra nós dois/Roberto Carlos, eu te amo mui-tô. E recebo coisas deliciosas, figuras que eu realmente gostaria de estar conhecendo melhor para poder estar me relacionando. Por favor leia abaixo a mensagem editada do meu príncipe encantado, que reside na Cidade do Cabo. É que a inspiração do bardo é muita e ele escreve linhas e linhas em sua missiva.
From: paul
To: im@skdljskjdl.com
Date: 22 Aug 2005 14:41:54 -0000
Subject: Penpal reply (Interpals)

Hi ,

(...) I am rather hansdsome young man who like to read, to go to the exhibitions, to the cinema. Also I like to spend my free time with my friends, they always tell me that near me it can’t become boring because I am a fun, intelligent, outgoing, creative and positive person. I receive great pleasure because I like to communicate with different people. As for my family I love my mother she is the person whom I love most off all in the world. If you like my little description or you want to know more about me than wrote to me write me please net and I will answer to all your questions. (...) In my beloved woman I want to see kindness, love, understanding, sympathy to that people who need it. Also I am looking for family oriented woman.

(...) It makes me pleasure to see how people become happier with my participation… my aim is to be happy, and my happiness is in striving to make people happy… My dream is to find you, my beloved woman, my queen, my Angel, my hope, and my soul, my light… to be the means for me to become happy and also make you happy every day! As we all know,we live in a very severe world… full of bad coincidences and stupid mistakes… and also with a lot of weakness inside, weak points and bad qualities, but you can’t live in this world and not depend upon it… But I’ll save all the best I have for you… … I’m very outspoken, and if you involve me into a sincere conversation (sometimes you needn’t do anything :-) … ), I’ll always tell you all I think about you… (...) I like gentle tactful treatment… I love good humor and warm embraces… friendly and loving… I dream to find the beloved person who will change my life! I dream my beloved to be Honest, strong, athletic, romantic, and be a poet…

(...) I do come with a warning label: "Warning!! This man is quite likely to make you happy." I am not into games other than Monopoly. I know my own mind and I don't have a problem speaking it. I am seeking a woman who will think of me but not try to think for me. I am seeking a woman who is confident but not cocky. One who can laugh at himself and not feel diminished when I laugh with her. . Tell me the truth and we'll get along fine. (...)

I'm intelligent, ambitious, family oriented, open-minded, down-to-earth, sensitive, reliable, sincere, considerate, creative, spontaneous, and I enjoy listening to all kinds of music, watching movies, dining in or out, meeting people and learning about different cultures, stimulating conversations, and anything computer-related.

My ideal mate is honest, 100% available, intelligent, ambitious, sensitive, funny, family oriented, open-minded, spontaneous, emotionally, mentally, spiritually and a good communicator, and enjoys most -- if not all -- of the same things I enjoy.

• Do you snore? Do you talk in your sleep?
• What songs or artists put you in the mood?
• How important is family to you? Describe your relationship with your family.
• Describe a meal you like to prepare.
• Describe your ideal dream date. Where would you go and what would you do?
• Morning person or night owl?
• Make your bed or leave it messy?
• The movie or the book? Or the Cliffs Notes?
• Glass half-empty or half-full?
• Admit your favorite guilty pleasure.
• If you could bring back any deceased musician for one concert, who would it be?
• Tell me about the person who has most influenced your life.
• Do you ever talk to yourself out loud? What do you talk about?

i will be anticipating your urgent reply,

Regards,
PXYZ.

Assim, tipo. Resumirei pra você compreender melhor a situação.

Hi, I'm PXYZ. and I'm perfect. I'm looking for a perfect woman to be my soul mate and live happily ever after. Here's a list of questions for you:

1. Do you too think I'm perfect?
2. Are you a perfect woman?
3. Do you snore?

Please reply asap. If you're not interested I'll have to look for the perfect woman else where.
PTPM (PXYZ, the perfect man)'
Próximo capítulo, faz favor. Vá agora para a parte II.

Por que o Clint Eastwood faz filmes assim?

Assisti ao Million dollar baby e resolvi fazer minha própria treca in a Movie-a-minute fashion.

Frankie: I feel sorry for not having done anything to prevent my friend from losing his eye in a fight zillions of years ago and I'm sorry that my daughter doesn't talk to me. So now I'm bitter and lonely. Oh, and I don't train girls! And Maggie, let's face it, you're too old!

Maggie: Please, boss? Please, train me. I'm really really really poor and I live such an unhappy life! My dad died and killed our dog when he was really old. My mom is a lazy fat bitch, my brother is in prison and my sister is no good. It's my only chance! Please? Please, boss?

Frankie: Okay, fine.

Maggie wins all her fights in the first round and Frankie likes her a lot. Finally, Frankie decides she's ready to go for the world championship against a German bitch who used to be a prostitute, and by being bitchy she knocks Maggie out and now she can't move from her neck down. And Frankie feels guilty. Again.

Maggie: I can't live like this. Please kill me.

Frankie: I can't.

Maggie bits her tongue twice and almost bleeds to death.

Maggie: Please, boss? I'm totally unhappy.

Frankie: Okay.

She dies and he goes away. We all cry our eyes out. The end.

18.8.05

Tá. Eu deveria, nesse ponto, criar uma wishlist:

porque eu quero o pôster e quero esses cartões também.

Obrigada.

Half of me is numb

Não assim toda uma metade, porque se eu tivesse toda uma metade direita de mim insensibilizada eu não ia conseguir digitar, eu não ia conseguir contar minha história triste e talecoisa, você não ia ficar com pena de mim e yadda yadda yadda (porque a vida de uma pessoa exposta num blog serve para unicamente suscitar a piedade em quem lê, mais que tudo na vida, mais que contar como está feliz, porque tem olho gordo demais nesse mundo de meudeus). O facto é que fui à dentista e ela me aplicou uma anestesia que fez assim... muito efeito. E agora todo o lado direito da face está morto para a vida. Não sinto gosto de comida com o lado direito da língua. Não consigo chupar caca com a narina direita. Tive que mastigar segurando a bochecha longe dos dentes pra não morder de 5 em 5 segundos, o que não me impediu de quase dilacerar a língua. Lembra do monstro preso no porão, em Goonies? Lembra? Então. Tudo isso agora porque, segundo expliquei agora há pouco:
Unfortunately, me being a very very poor third world girl led me to have lots of sweets and sugar as a kid, so I would have energy to go through the day without food. My poor papasito y mi mamá couldn't afford toothpaste or toothbrush.
Todo mundo chorando agora. Sem pasta e sem escova de dentes na infância pobre, lavando a cachorra com sabão de coco, ficando com o cabelo duro pra economizar dinheiro de xampu e com o lado direito morto para a vida.

'Por que um dia eu resolvi ter um perfil público do msn?',

eu me pergunto, e não encontro resposta. Volta e meia encontro mensagens assim:
OI tudo bem gatinha quem fala eo flavio sou de sp capital tenho 19 anos estou afim de conheçer vc bom aqui está meu msn [e-mail da criatura] [número de telefone celular da criatura] bjs té mais
I mean... Primeira coisa que eu noto é que ele tem que estar se inscrevendo em um workshop do tipo: "Como estar aprendendo a estar utilizando a vírgula, o ponto e os acentos gráficos, e a estar consultando um dicionário". Segunda coisa que eu noto: 19 anos? Pára, né? Pára já.
Oi, pareces uma ostra. Deixa-me descobrir o que há dentro de ti.
Pessoas de Portugal me escrevendo todas ao mesmo tempo agora. O manejo da língua portuguesa é invejável, mãs. Cara, ostra? OSTRA? Ouquei, eu admito, eu posso se auto fechar-me a mim mesma a nível de pessoa e enquanto ser humano, mas pourra, ostra? Essa entrou para os anais das worst pick-up lines ever.

17.8.05

Vida de pobre

Por apenas R$ 2,99 e mais R$2,99, totalizando R$ 5,98, você compra um conjunto de xampu e condicionador com sabor de fruta na drogaria. Mas não pague ainda! De grátis você leva o cabelo mais duro que um conjunto xampu-condicionador pode lhe dar.

Por 15 pilas pessoas dão banho em seu cãozinho pra você. Por zero pilas, seu cãozinho toma banho com sabão de coco em sua própria casa.

Aceito

16.8.05

Momento dona-de-casa

Minhas roupas e eu amamos Vanish. Assim, de um muito mesmo. Ó. Cuidado com roupas cor-de-rosa da Riachuelo. Tudo bem que mundinho cor-de-rosa é massa, mas não precisa exagerar.

Compre Vanish! Compre Vanish! Recomeindo.

13.8.05

Diário de uma loser

Losers are so much more fun to hang out with porque eles lêem um .rtf do High Fidelity direto do computador, sem dinheiro para mandar imprimir (e óbvio, sem condiçã de imprimir 120 páginas na impressora de jato de tinta de casa), ouvindo Goldfrapp. Tipo, não orna nem um pouco, né? Tipo não. Tipo é muito difícil, você não consegue entender o quanto. E tipo, falar 'tipo' é uó.
Losers são legais porque os alunos deles acham que eles são super into bruxaria/wicca/anjos/duendes e afins e dão livros como Manual da Bruxa Iniciante ou coisa que o valha. Um dos capítulos sendo: Como contar a seus pais. E aí começa: não, você não quer tocar nesse assunto durante um café da manhã. Você quer esperar um momento mais propício para trazer o assunto à tona, para não assustar seus pais. Porque a tradução é desse tipo que te dá vontade de vomitar. Quase toda tradução de livro podre dá vontade de vomitar. E veja bem, how old is this witch?, 16?, 17?, e você com 28 ganhando esse livro. Ougód. Enfim, eles também dão ao loser um outro livro com um lindo e mimoso vasinho de flores na capa, escrito por uma cidadã chamada Fern What's-her-name. Tipo, Fern, as in samambaia. Que tal? Hã? Essa senhorinha foufa que você vê aqui ao lado, evitando levar uma lambida no momento em que está tirando uma fota para colocar na contra-capa de um de seus trocentos livros sensacionais. Assim, a compreensão de que você é loser chega quando você se dá conta de que essa pessoa que leva o nome de Samambaia e que tira fota com seus cães para aparecer nos seus Julia/Sabrina/Momentos Íntimos-like livros escreve zilhões de livros que se tornam best sellers, enquanto você está lendo High Fidelity em .rtf. Compreende? O lado bom dos livros que um loser ganha está em que você pode levá-los à livraria, receber a notícia de que eles custaram assim umas 50 pilas e ter que completar somente com 30 para pegar A long way down, que é assim muito massa. Tanto que você ri no metrô lendo e tanto que você relê de mês em mês. Quer dizer, ser massa é apenas uma das razões pelas quais o loser relê o livro. A outra é que ele não tem dinheiro para comprar outros livros. Arrem.
P.S. Eu fiquei um pouco com dor no coração. Ele parou por um instante. Mas, pourra, não dá. Bruxaria e Fern não dá.

12.8.05

Diz uma pesquisa conduzida não sei

em que localidade do Brasil varonil que as pessoas, numa fila se comportam da seguinte maneira:

as que estão no fim, acham que a vida é bela, os passarinhos estão pipiando e o sol está lindo, e que a fila tá andando bem que é uma beleza, mãs as que estão láááá na frente, acham que o diabo tomou conta da pessoa do guichê do [complete aqui com o local cuja fila mais lhe tire do sério], que os passarinhos tinham todos que morrer, acertados por pedrinhas arremessadas por estilingues de moleques malvados e que pourra, minha vez não vai chegar nunca?

De modo que, transportando os resultados dessa pesquisa para a minha própria vida, eu posso dizer que ela tá bem certa. Uma coisa é quando você começa a esperar por um evento futuro e certo, mas que está a 3 meses de distância de você. Outra bem diferente é quando faltam duas semanas pro evento ocorrer. Que pourra de vida. Pourra. Não consigo me imaginar um dia antes do evento. Vou surtar. Surtar, compreende? I think I'm losing it already.

E, sim, eu acho que estou começando a querer ficar com tpm. Be aware.

Tes-tê

11.8.05

Treinamento

Conclamo todas as pessoas a fazerem esse treinamento comigo. Não a parte do just for today I won't freak out, a parte do 'como estar conseguindo não ficar toda honesta e falante após a segunda cerveja'. Porque assim. Eu tenho vícios, sendo um deles o cigarro, o mais problemático, aliás, cancerígeno, as zilhones de substâncias tóxicas (leia com som de 'ch', faz favor), os alvéolos perdendo a capacidade de blábláblá, vamos pular essa parte, ouquei? Mas eu não bebo. Quer dizer, eu bebo. Leite, coca light e, sinto dizer, mas talequá uma pessoa na puberdade, eu bebo pra ficar bêbada me-ma. Porque se está calor, eu tomo coca-cola. Pra que tomar arcu, que dá mais calor? E, outra questã mais importante: por que é que a gente tem que ter útero e, portanto, ter bexigas menores que nos fazem ir ao banheiro de 10 em 10 minutos? Pergunta retórica, ouquei? Não carece responder.

Enfim. Impus-me disciplina para evitar ficar toda-honesta após a segunda cerveja. Em pouquíssimo tempo, fiz progressos maravilhosos. Agora eu fico toda-honesta somente após a segunda metade da segunda cerveja. Você não se impressiona muito, hã?, como a disciplina e a força de vontade levam a gente tão longe nessa vida? Acho muito desnecessário contar todos os detalhes da vida sequiçual pregressa e confessar tuda e pular no pescoço das pessoas e falar pra todo mundo que eu amo todo mundo pra caraio. Mas tanto. Em duas semanas, a meta é chegar à toda-honestidade na 4a cerveja. Mais notícias em breve.

10.8.05

Ouquei,

não há mesmo motivo pra voltar aqui. Aparentemente. Good thing is, I won't have to post that picture I said I would. I believe we have a winner, ladies and gentlemen.

9.8.05

Preciso dizer

que sucumbi? Hã? De 5 em 5 segundos apertando Inbox com o mouse? Make it 3, baby.

Vitória do dia: saí pro dentista sem avisar. Hua ha ha ha.

O que você me diz

de uma pessoa que tem uma carçola que diz: 'aloha'? E outra que tem um fórfi na frente e umas chamas vermelhas no behind?

8.8.05

Prestenção:

Just for today, eu não vou ao sanatorinhos, não vou ficar esperando recado, nem apertando a treca do Inbox do emelho de 5 em 5 segundos, nem pensando em como vai ser tuda! (com exclamação) quando eu for para gê-erre-u, nem como vai ser tuda uma melda quando tiver que voltar para gê-erre-u. Just for today, my ass. Vou ter que começar amanhã a exercer o autro-controle, 12 horas. 12 horas, pessoal. So help me god. Eu tenho que conseguir, ném?

P.S. Ha ha ha ha ha ha ha. Post com trilha sonora em midi, que bagaceira. A melhor cousa!, eu lhe digo. Fucking kill me now again, if that's possible.

3.8.05

Trabalhamos

com o sósia de Luke Wilson em The Royal Tennembauns, ou seja, John McCrea. Muito mesmo.

2.8.05

Quatro

Tá. Então eu queria que uma alma boa me mandasse os mp3, porque eu não tô podendo.

31.7.05

Pra varrer a casa

com alegria, você tem que ouvir essa música de The Magic Numbers.Porque a música tem que ser muito tuda pra você varrer a casa COM alegria. Aí você pode usar a vassoura como companheira de dança e ainda usar o cabo como microfone quando aprender o refrão. Arrem.